sexta-feira, setembro 30

AI!


Sabor – Fotografia de Hélder Gonçalves

O grito deixa no vento
Uma sombra de cipreste.

(Deixai-me neste campo
chorando.)

Tudo se perdeu no mundo.
Não ficou mais que silêncio.

(Deixai-me neste campo
chorando.)

O horizonte sem luz
está mordido de fogueiras.

(Já vos disse que me deixeis
neste campo
chorando.)

Federico Garcia Lorca
Traduzido por Eugénio de Andrade

AY!

El grito deja en el viento
una somba de ciprés.

(Dejadme en este campo
llorando.)

Todo se ha roto en el mundo.
No queda más que el silencio.

(Dejadme en este campo
llorando.)

El horizonte sin luz
está mordido de hogueras.

(Ya os he dicho que me dejéis
en este campo
llorando.)

DEMOCRACIA


La Nueva Democracia (1945)David Siqueiros

Muita gente é execrável. É a nossa observação que torna execráveis muitas personagens. Para nós são execráveis. No entanto, para outros, são possuidores de excelsas virtudes.

A democracia é podermos rejeitar livremente os que nos repugnam na vida pública. É o exercício individual da livre escolha que encerra, em si mesma, extraordinárias vantagens. Porque do outro lado permanecem livres aqueles que rejeitam os que nós escolhemos.

É nesse jogo múltiplo de rejeição e escolha, sem censura, que reside a vantagem da democracia. Ela permite corrigir os seus próprios erros embora com um cortejo enorme de jogos no seu seio.

Não perder de vista esta vantagem pois, além do mais, resulta do sacrifício da vida e liberdade de gerações inteiras.

Mais vale a angústia de vermos escolhido, em eleições livres, alguém que julgamos execrável do que suportar o peso do silêncio sepulcral da tirania.

O BELO E O AZUL


Imagem daqui

“O belo diz Nietzche depois de Stendhal, é uma promessa de felicidade. Mas se ele próprio não é a felicidade, que poderá afinal prometer?”

*

“...Foi quando tudo ficou coberto de neve que reparei que as portas e as janelas eram azuis.”

Albert Camus

Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

quinta-feira, setembro 29

Portugal no Global Competitiveness Report


NO ANO DE EINSTEIN- Fotografia de Hélder Gonçalves

Portugal ocupa a 22ª posição no ranking do Global Competitiveness Report tendo subido dois lugares face a 2004. Olhando para desagregação dos indicadores verificam-se alguns dados surpreendentes face à tradicional maledicência nacional. Imaginem que me senti recompensado.

Afinal sempre vale a pena trabalhar para a modernização do país contra ventos e marés. E, apesar de todos os pontos fracos, Portugal sempre é melhor do que os portugueses o pintam. Haja deus!

Veja o quadro com a classificação dos países (Comparação 2004/2005)

O SILÊNCIO


Fotografia de Hélder Gonçalves

Ouve, meu filho, o silêncio.
É um silêncio ondulado,
um silêncio
donde resvalam ecos e vales,
e que inclina a fronte
para o chão.

Federico Garcia Lorca
Traduzido por Eugénio de Andrade

El silencio

Oye, hijo mío, el silencio.
Es un silencio ondulado,
un silencio
donde resbalan valles y ecos
y que inclina las frentes
hacia el suelo.

quarta-feira, setembro 28

Os Eleitores São Todos Iguais


Fotografia daqui

Um dos acontecimentos mais notáveis desta campanha eleitoral para as autarquias é o surgimento de candidatos independentes que concorrem "contra" os respectivos partidos. São candidatos que estão a ser alvo de investigação e que, por via disso, são arguidos.

Um deles foi mesmo condenado (tendo recorrido) e o(a) outro(a) fugiu para o Brasil para se subtrair à chamada “prisão preventiva”. Aliás nasceu no Brasil e, ao que suponho, goza de dupla nacionalidade. A campanha eleitoral, não fora um debate televisivo que se resumiu a um não aperto de mão, está concentrada nestes quatro (4) candidatos independentes.

Nada de mais. O que surpreende é o facto de inúmeros comentadores e politólogos (policromos, dá-me aqui o corrector …) terem desatado a defender a tese do “mau eleitorado”. A tese é velha e encaixa na perfeição nas teorias, mais ou menos encapotadas, dos hodiernos detractores da democracia. Estão enganados.

Não existem eleitores maus e eleitores bons! Eleitores bestas e eleitores bestiais! Existem simplesmente eleitores. O que distingue a democracia de um qualquer arremedo dela é o princípio de os eleitores serem todos iguais. Pobres, ricos, brancos, pretos, cristãos, muçulmanos, homens, mulheres, direita, esquerda, centro, intelectuais, analfabetos, patrões, empregados, velhos, jovens, presos, doentes, entrevados, drogados, comparsas, tolos … Uma cabeça, um voto!

Ou seja toda a minha gente é livre de votar. O voto, em Portugal, não é obrigatório mas é secreto e universal. Algo em que a modernidade pegou de estaca. Algo em que somos desenvolvidos, modernos e exemplares.

Os eleitores são todos iguais. Os candidatos é que são todos diferentes. Os eleitores escolhem, não são escolhidos. Os candidatos, se a lei lhes dá a faculdade de concorrer, concorrem, são votados e correm o risco de ser eleitos. É a verdadeira soberania popular. Ponto final.

Não estraguem o mais importante da nossa vida colectiva. A liberdade de escolher e ser escolhido. Desculpem lá a maçada destas banalidades.

"...o domingo para um homem pobre que trabalha."


O Grito – Edvard Munch (1863-1944)

“Saint-Étienne.

Sei o que é o domingo para um homem pobre que trabalha. Sei sobretudo o que é o domingo à noite e se eu pudesse dar um sentido e uma figura ao que sei, poderia fazer de um domingo pobre uma obra de humanidade.”

Albert Camus

Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

terça-feira, setembro 27

As Contas ... dos Grandes!


As contas referentes à execução orçamental de 2004, apresentadas por Portugal em Bruxelas, carecem de rectificações. Suscitaram dúvidas ao Eurostat.

As contas dos anos de 2002 e 2003, todas sob gestão dos governos da direita (PSD/PP), também não estarão certas. Conspiração de Bruxelas contra a direita portuguesa? Conspiração superiormente dirigida por um ex-primeiro responsável supremo pelo menos pelas contas de 2002 e 2003?

Acontece aos melhores! Diz o nosso povo: “Em casa de ferreiro espeto de pau”. A Dra. Manuela Ferreira Leite e o Dr. Bagão Félix, afivelando uma máscara de severidade e competência, não param de nos surpreender!

“A Comissão Europeia pediu ao Governo português explicações sobre as operações referentes às dotações de capital dos hospitais SA, constituídas em 2002, e sobre a venda ao Citigroup de dívidas fiscais realizada em 2003. Em causa estão as contas orçamentais da ex-ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite.

Para além disso, o Eurostat não validou as contas públicas portuguesas de 2004 - da responsabilidade do então ministro das Finanças, Bagão Félix - alegando também dúvidas em relação à contabilização de um dividendo pago ao Estado pela Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM), no montante de 0,03% do produto interno bruto (PIB).

O Governo português já se disponibilizou a investigar a "natureza" deste dividendo. Caso essa verba seja retirada, o défice ficará em 3,03% do PIB, sendo convicção das Finanças que não viola o limite de 3%. Bruxelas não aceitou ainda validar as contas da Grécia e República Checa. Para este grupo de países, incluindo Portugal, a Comissão Europeia diz que tem "reservas" sobre a "qualidade dos dados" fornecidos.”

JANIS JOPLIN


Janis Joplin (1967)

Janis Joplin morreu em 4 de Outubro de 1970. Antes que se faça tarde deixo o meu tributo a um ídolo maior da minha alta juventude. A sua voz, na rádio, dava-me um prazer infinito acompanhando-me em jornadas de estudo sem fim.

O FIM DO VERÃO


“Mar, Mar, há tanto mar no meu país” - Fotografia de Hélder Gonçalves

O fim do verão o cansaço do fim do descanso
O descanso do fim do cansaço o fim do verão
O fim do verão é onde estou sentado em cima
O ar do fim do mar que se torna na fotografia
O fim do dia no fim do verão não esquece não

Lisboa, 26 de Setembro de 2005

segunda-feira, setembro 26

É TARDE, MUITO TARDE DA NOITE ..."


Paul Gauguin (1848-1903)

É tarde, muito tarde da noite,
trabalhei hoje muito, tive de sair, falei com vária gente,
voltei, ouço música, estou terrivelmente cansado.
Exactamente terrivelmente com a sua banalidade
é o que pode dar a medida do meu cansaço.
Como estou cansado. De ter trabalhado muito,
ter feito um grande esforço para depois
interessar-me por outras pessoas
quando estou cansado demais para me interessarem as pessoas.
E é tarde, devia ter-me deitado mais cedo,
há muito que devera estar a dormir.
Mas estou acordado com o meu cansaço
e a ouvir música. Desfeito de cansaço,
incapaz de pensar, incapaz de olhar,
totalmente incapaz até de repousar à força de
cansaço. Um cansaço terrível
da vida, das pessoas, de mim, de tudo.
E fumo cigarro após cigarro no desespero
de estar tão cansado. E ouço música
(por sinal a sonata para violino e piano
de César Franck, e depois os Wesendonck Lieder)
num puro cansaço de dissolver-me
como Brunhilda ou como Isolda
no que não aceitarei nunca,
l' amor che muove il sole e l' altre stelle.
Nada há de comum entre esse amor de que estou cansado,
e o outro que não ama, apenas queima e passa , e de cuja
dissolução no espaço e no tempo em que vivo
estou mais cansado ainda. Dissolvam-se essas damas
que eram princesas ou valquírias, se preferem, no eterno.

Eu estou cansado de não me dissolver
continuamente em cada instante da vida,
ou das pessoas, ou de mim, ou de tudo.
Qu' ai-je à faire de l' eternel? I live here.
Non abbiamo confusion. E aqui é que
morrerei danado de cansaço, como hoje estou
tão terrivelmente cansado.

Jorge de Sena

Dez. 22/70

In “Visão Perpétua” [1982]

ALAIN DELON


1962 - Monica Vitti e Alain Delon, In "L'Eclipse"

A entrevista com Alain Delon ao “Paris Match”, referida pelo “Expresso”, foi a única leitura que me comoveu no fim-de-semana. Veja aqui uma síntese.

domingo, setembro 25

Presidenciais, Quarteto à Esquerda e So(u)lista à Direita?


“Heróis do mar …” – Fotografia de Hélder Gonçalves

Sempre estive convencido que, descartadas as hipóteses Ferro Rodrigues, Medeiros Ferreira e outras, cada uma por sua razão, o candidato apoiado pelo PS seria Manuel Alegre. A candidatura de Mário Soares era uma hipótese aventada, à laia de provocação, mas não suscitava mais do que sorrisos complacentes.

Finalmente o mercado dos candidatos fechou ontem, à esquerda, com quatro – quatro – candidatos: Mário Soares (apoiado formalmente pela direcção do PS); Manuel Alegre (apoiado, certamente, por independentes de esquerda, dirigentes intermédios e militantes do PS); Jerónimo de Sousa (PCP) e Francisco Louçã (BE).

Paradoxalmente, a esta hora, não há nenhum candidato credível que represente o campo da direita pois Cavaco Silva não declarou formalmente a sua candidatura.

Mas nada nos diz que não possa haver uma surpresa neste campo. Como muito bem reflecte o TUGIR parecem estar criadas as condições para o surgimento da candidatura de Santana Lopes que poderia aglutinar à sua volta uma multidão de descontentes e inimigos ferozes de Cavaco, até hoje em silêncio, no campo do PSD e, em particular, no do PP. Lembremo-nos, a título de exemplo, de Alberto João Jardim e Paulo Portas. Não há fome que não dê em fartura.

Acerca da minha opção política ela já foi anteriormente expressa. Apoio Mário Soares por razões de fidelidade, pois sempre nele votei, enquanto candidato presidencial (em todas as voltas de todas as eleições) e por razões políticas na medida em que confio na sua capacidade para o exercício da função presidencial.

A história do percurso político que me leva até aqui fica para depois mas pode ser interessante para refrescar algumas memórias mais preguiçosas.

JAMES DEAN


James Dean, simplesmente

Outubro


"Estrada do Poço do Inferno..." - Fotografia de José Branco In Olhares

“Outubro

Os grandes bosques vermelhos sob a chuva, os prados cobertos de folhas amarelecidas, o cheiro dos cogumelos que secam, as fogueiras (as pinhas reduzidas a brasas luzem como diamantes do inferno), o vento que geme em redor da casa, onde encontraríamos um Outono tão convencional? Os camponeses marcham agora um pouco inclinados para a frente – contra o vento e a chuva.

Na floresta de Outono, as faias criam nódoas de um amarelo-ouro onde se isolam na orla dos bosques como que grandes ninhos gotejantes de um mel loiro.”

Albert Camus


Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

FICAR


Fotografia de Margarida Delgado in sabor a sal

O que gostas de mim, o que mais desejas
Que me sintas por perto, que me protejas

Desejas adivinhar donde venho ao chegar
De que forma se forma o prazer de gostar

O que mais desejas, o que gostas de mim
Saberás o que não sei, deixa-te estar aqui

Preciso de uma mão aberta na minha face
Ler suas linhas e deixar o corpo ficar laço

É certo que nada ficou igual com o tempo
Deixa-te ficar comigo, espera o momento

Em que somente as nossas vozes ecoem
No ar e nossas memórias no tempo voem

Lisboa, 12 de Julho de 2005

sábado, setembro 24

CAVACO


Fotografia de a mega fauna

“Parece que os portugueses preferem ter como “chefe no trabalho” Mário Soares e como “professor do filho” Cavaco Silva, …”

Pacheco Pereira, tradicional apoiante do Dr. Soares nas suas anteriores candidaturas presidenciais, sem esquecer que na segunda Soares foi apoiado também por Cavaco (esse mesmo …), reflecte e inflecte, com decência e clarividência, no sentido do seu apoio à próxima candidatura de Cavaco.

Queria aproveitar para dar o meu testemunho pessoal acerca da preferência dos portugueses em ter como “ professor do filho” Cavaco Silva. É que eu já fui aluno dele.

Cavaco Silva é um péssimo professor, daquele género autoritário e dogmático … pouco atreito a aceitar a palavra dos outros e muito menos a crítica. Suporta mal os conflitos, é rígido, “vai-se abaixo” quando carece de lidar com situações de afrontamento mais duras …

Não me venham com essa história do bom professor e muito menos com a sua capacidade para lidar com os conflitos ao mais alto nível da magistratura política.

É tudo mentira. (A desenvolver).

sexta-feira, setembro 23

FURACÃO RITA


Uma informação detalhada acerca do Furacão Rita. Um acontecimento verdadeiramente importante.

Cerca de três milhões de pessoas retiradas do Texas
As autoridades texanas pediram, esta sexta-feira, aos habitantes de Houston que não abandonem a cidade e procurem refúgio para se protegerem do furacão Rita, depois de quase três milhões de pessoas terem sido retiradas das zonas costeiras do Texas.

Rita chega à terra arrancando árvores e provocando incêndio - Estado de S. Paulo on line




Cá Vamos Andando, Graças a Deus ...


Fotografia de José Marafona

Alguns amigos manifestaram a sua perplexidade acerca do meu escrito sobre Fátima Felgueiras. Não fui porventura suficientemente irónico ou a minha ironia não surtiu o efeito desejado.

Suspeito que nunca será possível compreender a coincidência de tantos processos judiciais terem ganho asas no ano de 2002 mesmo que tivessem sido iniciados antes.

Foi esse exactamente o ano em que a direita ascendeu ao governo, através das eleições legislativas de Março de 2002, tendo Ferro Rodrigues como seu principal adversário enquanto líder do PS.

Nesse governo de direita a ministra da Justiça era a militante do PP, Celeste Cardona, sendo ministro da Defesa e Vice-primeiro-ministro o líder do PP, Paulo Portas.

Era ministro da segurança social, pelo PP, Bagão Félix, que sucedeu a Paulo Pedroso, nessa pasta, com a tutela da Casa Pia.

E por aí adiante … Hoje por hoje não se lhes ouve uma palavra. Estão calados como ratazanas...

Tudo o que aconteceu, a partir de uma determinada data, em 2002, nas relações entre algumas instâncias do poder político, judicial e mediático exigia uma mega-investigação que ninguém se atreve a propor quanto mais a concretizar.

Tudo o que está a acontecer agora são as sequelas de algo de muito grave, envolvendo a direita e a extrema-direita, de que há indícios, factos e provas que já vieram a público mas que, aparentemente, ninguém está a investigar a sério. Oxalá me engane ...

Acerca de todos esses acontecimentos, e suas sequelas, acompanho a dor das vítimas inocentes e estou solidário com os caluniados e proscritos de que, eu próprio, ironicamente, faço parte.

Aguardo, ao mesmo tempo, com serenidade, que seja feita justiça embora acompanhado sempre pela lembrança de uma reflexão perturbadora de Camus, que pode ajudar os meus amigos a decifrar a minha amarga ironia acerca do regresso triunfal de Fátima Felgueiras.

Escreveu Camus, citando Flaubert: “Um homem julgando outro homem é um espectáculo que me faria rir à gargalhada se não despertasse, antes, a minha piedade.”

Entretanto quando me falam indagando do meu estado de espírito e, às vezes, da saúde, sempre me apetece dizer: cá vamos andando, graças a Deus …

Há coisas belas para olhar no mundo que nos rodeia e a esperança de um novo dia nunca morre no coração dos homens de boa vontade.

quinta-feira, setembro 22

Nostalgia da vida dos outros.


“Nostalgia da vida dos outros. É que, vista do exterior, forma um todo. Enquanto que a nossa, vista do interior, parece dispersa. Corremos atrás de uma ilusão de unidade.”

Albert Camus


Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

Elsa Martinelli


Elsa Martinelli (1956)

Na nossa digressão de verão pelas memórias das actrizes italianas ninguém se lembrou de Elsa Martinelli.

Almocreve das Petas


Jorge de Sena no Almocreve das Petas

Não sei, só sei


Buscando el Silêncio de Cecilio Colón Guzmán

Não sei se vos vou encontrar todos
Pois não encontro ninguém disposto
A ir além do desencontro esperado

Não sei se vos interessa olhar o lado
Oculto, o gemido da morte iminente
A perda do próprio ser desesperado

Não sei se vos interessa a surpresa
Dos sentidos que se não encomenda
No supermercado mas que se sente

Não sei se sou capaz de sobreviver
Muito mais tempo sem vos acariciar
Os seios imaginários erectos sempre

Não sei mesmo nada de mim enfim
Só a minha voz silenciada e muda
Que oiço no fundo do firmamento

Não sei não, não sei se me entendo
Se me entendem os silêncios nus
Os silêncios musicados de palavras

Só sei o que me palpita no corpo
Que trago a enroupar os sentidos
E que vagamente me surpreende

Lisboa, 23 de Abril de 2005

(Imagem e Poema para o JPN e o seu Dicionário do Silêncio, in Respirar o Mesmo Ar)

quarta-feira, setembro 21

Fátima Felgueiras


Fotografia - Lusa

Apetecia-me dizer que isto não tem nada a ver com política. Mas a verdade é que tem a ver e vai mais além. É uma questão que põe em evidência a maneira portuguesa de viver. Tocata e Fuga. Regresso e Entrega. Candidatura e Afrontamento. Xeque a todos os poderes!

Não digam que é ridículo pois é muito sério. Um caso exemplar. Uma alegoria à acção dos representantes do povo e das instituições do Estado. Uma homenagem aos caricaturistas. Um hino à imaginação. E porque não reconhecê-lo um acto de coragem.

Sempre me quis parecer que Fátima Felgueiras havia de regressar e participar na campanha eleitoral. Na prisão ou em liberdade. Ainda bem que, como tudo leva a crer, não fará a campanha na prisão. Caso se confirme a sua candidatura as TV têm à mão de semear um tema inesgotável, um “reality show”de audiências incomensuráveis. Esperem pelos debates.

O major, o Isaltino, o labrego, o Professor, o Eng.º, vão ser eclipsados por Fátima Felgueiras. São todos candidatos polémicos, mas banais, à vista da nossa Evita. Uma Evita à Portuguesa!

O nosso povo sempre disse, nos momentos de amargura, que temos que estar preparados para tudo! Mas a verdade é que o caso “vende”, os poderes tremem e o povo delira com estas aventuras.

O espectáculo vai começar ...

Abrangente


Apresentando Abrangente

MILESTONE - Quatro anos após o derrube do regime taliban, o povo afgão foi às urnas votar nas eleições para o Parlamento de Cabul. As últimas eleições realizadas naquele país, foram há 36 anos, ainda o Afganistão era um reino.

A afluência às urnas foi baixa, na ordem dos 50 por cento, mas tendo em conta as ameaças da Al-Qaeda e os ataques feitos pelos taliban nas últimas semanas, os 50 por centos de eleitores que votaram, é um número significativo e um desafio aos mentores do terrorismo naquele país.

Porque nas listas, 25 por cento dos candidatos, eram mulheres... e algumas sempre se apresentaram sem burka! Deram a cara pelo futuro... E o futuro agora, é a reconstrução do país arrasado.

As Vozes


Fotografia de José Marafona

As vozes na noite quente
e os passos lá fora,
uma aragem corta o calor
intenso do verão ardente,
ouço o meu tempo passado
ao luar escoar-se
e lembro os rostos gretados
do sol, os braços nus
as veias e o suor salgado
a gotejar na terra seca,
ressequída, revolta
a golpes de enxada

As vozes na noite quente
estou nelas inteiro
e nelas ouço a minha gente.

Faro, 15 de Julho de 2004

terça-feira, setembro 20

Esquecimento


Fotografia de Margarida Delgado

“Este ruído das nascentes ao longo dos meus dias. Correm em volta de mim, através dos prados ensoalhados, depois mais perto de mim ainda e em breve terei este ruído dentro de mim, esta nascente no coração e este ruído de fonte acompanhará todos os meus pensamentos. É o esquecimento.”

Albert Camus

Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

Manuais Escolares em Espanha

O "El País", de ontem, 19 de Setembro de 2005, realiza um balanço da situação do processo de introdução da gratuidade dos manuais escolares nos primeiros anos de escolaridade em Espanha. Trancrevo, na íntegra, a notícia. Ver a notícia no IR AO FUNDO E VOLTAR.

domingo, setembro 18

Napoleão


Napoleão Bonaparte – Imagem e Breve Biografia

As grandes frases de Napoleão. “A felicidade é o maior desenvolvimento das minhas faculdades.”

Antes da ilha de Elba: “Um malandro vivo vale mais do que um imperador morto”.

“Um homem realmente grande colocar-se-á sempre acima dos acontecimentos que originou.”

“É necessário querer viver e saber morrer.”

Albert Camus

Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

Comment te dire adieu


Na foto Françoise Hardy in La Vie en blues

Comment te dire adieu

além de ontem
- azul de ladrilhos -
espectra a manhã
num relance:
página em branco,
grito de galo, fogo perpétuo
- despertar é áspero,
poroso
golpe de luz
a frio – alarde de cristais.

Língua dos Versos


E Viva o Porto – Fotografia de Hélder Gonçalves

Língua;
língua da fala;
língua recebida lábio
a lábio; beijo
ou sílaba;
clara, leve, limpa;
língua
da água, da terra, da cal;
materna casa da alegria
e da mágoa;
dança do sol e do sal;
língua em que escrevo;
ou antes: falo.

Eugénio de Andrade


Lengua de los versos

Lengua;
lengua del habla;
lengua recibida labio
a labio; beso
o sílaba;
clara, leve, limpia;
lengua
del agua, de la tierra, de la cal;
materna casa de la alegria
y la amargura;
danza del sol y de la sal;
lengua en que escribo;
o antes: hablo.

Rente ao Dizer/Próximo al Decir
Tradução de José Luís Puerto
Amarú Ediciones

sexta-feira, setembro 16

UM CORPO


Fotografia de Margarida Delgado, in Sabor a Sal

Um corpo desejável envolto em pose despojada
Ser tocado e fazer-se mais desejado entreaberto
Na espera do inesperado sem horas nem tempo
O corpo somente o corpo pontiagudo se derrete
E escorre ao longo dos meus lábios lentamente.


21 de Dezembro de 2004

"Panorama da Educação Nos Países da OCDE"


Serralves – Fotografia de Hélder Gonçalves

Foi divulgada a edição de 2005 do “Panorama da Educação nos países da OCDE”. Este “panorama” consiste, em síntese, num conjunto de indicadores, comparáveis e actualizados, acerca do desempenho do sistemas educativo em 30 países.

Comecemos por assinalar, por via dos equívocos, que os progressos realizados nos últimos anos em muitos países, incluindo Portugal, são assinaláveis. O interesse do relatório concentra-se, no entanto, na apreciação da posição relativa de cada país no que respeita ao desempenho da respectiva política educativa.

E, naturalmente, no enunciado dos indicadores nos quais Portugal surge, em termos comparativos, numa posição desvantajosa.

Eis um enunciado sintético de três desses indicadores que podem ser consultados, na íntegra, através do link que surge no final deste post.

- Portugal surge no último lugar no indicador de frequência do ensino formal, com 8,2 anos, considerando os cidadãos dos 25 aos 64 anos. Quer dizer que cada português adulto frequentou a escola, em média, 8,2 anos.

Nos últimos lugares, neste indicador, surgem também a Itália (10 anos), Turquia e México (menos de 10, mas mais de 8,2 anos). Os primeiros lugares são ocupados pelos EUA, Noruega, Dinamarca e Luxemburgo, com cerca de 14 anos.

Este indicador é, certamente, um dos mais objectivos e o reverso de outro tipo de indicadores, conhecidos, como o que se refere ao “abandono escolar precoce” em que Portugal ocupa o último lugar entre os países da UE.

- Nalguns países os professores (“a meio da carreira”) têm salários mais do que duas vezes superiores ao PIB per capita do respectivo país, casos da Coreia e do México, ocupando Portugal o lugar imediatamente a seguir, usufruindo os professores portugueses de salários semelhantes aos da Alemanha e da Suíça.

Mesmo considerando que os professores trabalham em contextos diferentes, integrados em processos organizacionais diversos, de país para país, este é um indicador bastante surpreendente que ainda mais se torna impressivo quando se lhe junta o indicador do tempo líquido, em “horas por ano”, passado pelos professores em actividades lectivas na escola.

- Neste indicador Portugal apresenta uma situação que indicia uma relativamente fraca permanência dos professores na escola com um valor ligeiramente superior às 600 horas/ano face à média do conjunto dos países que é de 701 horas/ano, sendo que este valor atinge mais de 1000 horas nos EUA e no México e um valor mínimo de 535 horas no Japão.

Os indicadores disponibilizados por este relatório da OCDE têm o valor que têm, mas, no seu conjunto, representam uma fotografia bastante negativa do estado da educação em Portugal.

A sua leitura por mais benévola que seja face a factores de diferenciação do “caso português” dão uma forte caução às medidas que o governo socialista tem vindo a aplicar na reforma do sistema, em particular, na promoção de um mais extenso e atento acompanhamento pelos professores das actividades lectivas dentro das escolas.

De facto a conjugação, em Portugal, de salários relativamente elevados dos professores com o tempo da sua permanência na escola, em actividades lectivas, abaixo da média do conjunto dos 30 países considerados, deve querer dizer alguma coisa, não é?

Veja aqui o “Panorama da Educação nos países da OCDE”.

Aqui uma notícia a propósito do mesmo assunto.

quinta-feira, setembro 15

A França e a Inglaterra


Fotografia de José Marafona

“Há muitas razões para a hostilidade oficial contra a Inglaterra (boas ou más, políticas ou não). Mas não se fala de um dos piores motivos: a raiva e o desejo mesquinho de vermos sucumbir quem ousou resistir à força que nos esmagou.”

Albert Camus

Caderno n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil”. (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

Ocupada ou partilhada?


Nicosia, ocupada ou partilhada? - Fotografia de Hélder Gonçalves

(Alterei o título.)

quarta-feira, setembro 14

Câmara Corporativa

De grande utilidade e oportunidade.

VERSOS DESENCONTRADOS


Fernando Pessoa no Martinho da Arcada com Raul Leal, António Botto e Augusto Ferreira Gomes.

Em nada ou em ninguém
Eu deveria acreditar!
Nem no amor, nem na vida. - As ilusões,
Mesmo até quando vêm disfarçadas
E já conhecem o cliente, hesitam,
E chegam a partir envergonhadas...
As ilusões -
Também têm os seus mais preferidos;
E àqueles que ficaram na ruína
Do pensamento, e são - por graça de conquista
Os pálidos mortais desiludidos,
A esses já não correm muito afoitas
Na mentira das grandes fantasias!
- É por isso que eu hoje ainda vivo
À margem das ridículas tragédias
Que lemos nos jornais todos os dias.

Atulham-se os presídios; no degredo,
Atados à saudade, vão ficando,
- Como lesmas ao luar, esses que matam,
E pelo amor tombaram na desgraça:
- Um sonho, um beijo, uma mulher que passa!
Só a guitarra os lembra ao triste fado
Nos ecos diluídos e chorosos
E fundos do lusíada, coitado!
Eu olho para tudo que enxameia
Nesta viela escura da existência
Como quem se debruça num abismo
E fica revolvendo a consciência
Na tristeza infinita de um olhar!...
- A humanidade é vil e o seu egoísmo
Tem base na vileza de vexar.

Sim;
Por qualquer coisa os homens tudo vendem:
Palavra, dignidade, a própria vida,
Só porque desconhecem a doutrina
Bendita de Jesus; - esse tesoiro,
Essa fonte de luz onde aprendi
A ser leal e amigo e a respeitar
Aquela que nos risos do meu lar
Desembaraça os fios de uma queixa
No mistério que cinge o verbo amar.

Mas quando um ano acaba e outro vem,
Embora a minha fronte e os meus cabelos
Envelheçam na marcha para o fim
E um sabor de renúncia e de cansaço
Vibre, cantando, aqui, dentro de mim,
Rebenta-me no peito uma esperança
Tão lúcida, tão viva, e tão ungida
Na fé que ponho erguendo a minha prece -
Que peço a Deus do fundo da minha alma
Que a todos os que sofrem neste mundo
Dê o conforto de uma vida calma.

António Botto

Aves de Um Parque Real
As Canções de António Botto
Editorial Presença
1999

segunda-feira, setembro 12

NA MORTE DE MARILYN


Fotografia de Marilyn Monroe - Playboy (1953)

Morreu a mais bela mulher do mundo
tão bela que não só era assim bela
como mais que chamar-lhe marilyn
devíamos mas era reservar apenas para ela
o seco sóbrio simples nome de mulher
em vez de marilyn dizer mulher
Não havia no fundo em todo o mundo outra mulher
mas ingeriu demasiados barbitúricos
uma noite ao deitar-se quando se sentiu sozinha
ou suspeitou que tinha errado a vida
ela de quem a vida a bem dizer não era digna
e que exibia vida mesmo quando a suprimia
Não havia no mundo uma mulher mais bela mas
essa mulher um dia dispôs do direito
ao uso e ao abuso de ser bela
e decidiu de vez não mais o ser
nem doravante ser sequer mulher
O último dos rostos que mostrou era um rosto de dor
um rosto sem regresso mais que rosto mar
e toda a confusão e convulsão que nele possa caber
e toda a violência e voz que num restrito rosto
possa o máximo mar intensamente condensar
Tomou todos os tubos que tinha e não tinha
e disse à governanta não me acorde amanhã
estou cansada e necessito de dormir
estou cansada e é preciso eu descansar
Nunca ninguém foi tão amado como ela
nunca ninguém se viu envolto em semelhante escuridão
Era mulher era a mulher mais bela
mas não há coisa alguma que fazer se certo dia
a mão da solidão é pedra em nosso peito
Perto de marilyn havia aqueles comprimidos
seriam solução sentiu na mão a mãe
estava tão sozinha que pensou que a não amavam
que todos afinal a utilizavam
que viam por trás dela a mais comum imagem dela
a cara o corpo de mulher que urge adjectivar
mesmo que seja bela o adjectivo a empregar
que em vez de ver um todo se decida dissecar
analisar partir multiplicar em partes
Toda a mulher que era se sentiu toda sozinha
julgou que a não amavam todo o tempo como que parou
quis ser atá ao fim coisa que mexe coisa viva
um segundo bastou foi só estender a mão
e então o tempo sim foi coisa que passou.

Ruy Belo

Transporte No Tempo
Editorial Presença


Marilyn Monroe veja biografia aqui

domingo, setembro 11

11 DE SETEMBRO


Fotografia de Margarida Delgado, in Sabor a Sal

Retenho na memória os corpos filmados num ângulo estranho e os ritos de espanto e pavor que se estampavam nos rostos. As correrias desgovernadas e os nomes dos desaparecidos escritos em papéis. As velas acesas e as preces. As vozes roucas de surpresa e de medo.

Tinha sido dado início aos quatro anos mais terríveis da minha (nossa) vida. Coincidência? As cinzas que cobriram os sobreviventes também nos cobriram a nós. Ainda nos estamos a erguer do chão para reiniciar a caminhada.

Os fundamentalistas de todas as religiões hão-de ser isolados e vencidos. Mas continuam nos postos de comando. As comunidades que os geraram hão-de destruí-los. Como? Através da livre escolha ou pela força da violência? Vencerá a liberdade ou a tirania? A paz ou a guerra? O bom senso da maioria dos povos triunfará?

É absolutamente necessário que as instituições multinacionais – ONU, UE, … – se não desprestigiem e, pelo contrário, se fortaleçam. É essa a única esperança que resta aos homens e mulheres de boa vontade.

SALVADOR ALLENDE


EM MEMÓRIA DE SALVADOR ALLENDE

"(...) Trabajadores de mi Patria, tengo fe en Chile y su destino. Superarán otros hombres este momento gris y amargo en el que la traición pretende imponerse. Sigan ustedes sabiendo que, mucho más temprano que tarde, de nuevo se abrirán las grandes alamedas por donde pase el hombre libre, para construir una sociedad mejor. ¡Viva Chile! ¡Viva el pueblo! ¡Vivan los trabajadores! Estas son mis últimas palabras y tengo la certeza de que mi sacrificio no será en vano, tengo la certeza de que, por lo menos, será una lección moral que castigará la felonía, la cobardía y la traición."

Salvador Allende, 11 de septiembre de 1973, del mensaje a los ciudadanos transmitido por Radio Magallanes a las 9,03 de la mañana.

Excepção Fatal


Fotografia in New York on Time

““Retz: “Com excepção da coragem, o Senhor Duque de Orlèans tem tudo quanto é necessário a um homem honesto””

Albert Camus

Caderno” n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil” (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

sábado, setembro 10

FARO - Telhados


Telhados - Faro Velha

Veja aqui uma imensidade de fotografias de Faro (e não só) que assinalam lugares das minhas memórias mais felizes. In Click Portugal! - Opinião e troca de Ideias. (De Platero)

Emigrar à Força


As imagens da tragédia americana que têm passado, repetidas até à náusea, fazem-me lembrar intensamente a odisseia dos emigrantes. Fascina-me, desde criança, a viagem do homem buscando outras terras.

A minha família, do lado paterno, foi emigrante no Brasil e nos EUA. Admiro a coragem daqueles que partem buscando a sorte da fortuna noutras paragens sem, a mais das vezes, conhecerem nada das terras que demandam, nem a geografia, nem a língua, nem a cultura.

O que estamos a assistir nos EUA é a um fenómeno extraordinário de emigração interna. Uma deslocação sem precedentes, em tempo de paz, de uma multidão que muda de cidade, de estado, abandonando as suas raízes originárias, porventura, para sempre.

Estamos assistindo a uma verdadeira odisseia de recriação da demografia de uma vasta região dos EUA, equivalente à península ibérica, que exige uma imensa capacidade de integrar criando uma nova vida para centenas de milhares de americanos.

Ao contrário do que muitos possam pensar os EUA vão sair mais fortes desta crise enquanto a administração BUSH entra definitivamente no ocaso político.

As Nações não se confundem com os seus governos mas os povos podem ser penalizados pela política dos governantes que ignoram, cinicamente, a força “irresponsável” da natureza.

Mas a vida continua e, para além do debate político e das suas consequência, neste caso, impressiona o desprezo pela prevenção da catástrofe anunciada e o fenómeno da uma imprevista emigração em massa.

sexta-feira, setembro 9

CAMUS - CADERNO Nº 4


Fotografia de Pela Lente

“Janeiro – Fevereiro (1942)

“Tudo o que não me mate torna-me mais forte.” Sim, mas … E como é duro pensar na felicidade. O peso esmagador de tudo isto. O melhor é calarmo-nos para sempre e voltarmo-nos para o resto.”

Albert Camus

Caderno” n.º 4 (Janeiro 1942/Setembro 1945) – Tradução de António Quadros. Edição “Livros do Brasil” (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

(Citação inaugural do Caderno nº 4)

Colin Powell


Powell admite que prestação na ONU manchou a sua reputação
O antigo secretário de Estado norte-americano Colin Powell admitiu quinta-feira que a sua apresentação em 2003 perante a ONU sobre as armas de destruição maciça (ADM) que o Iraque alegadamente tinha foi uma «mancha» na sua reputação.

(Por lembrança da MAB)

quinta-feira, setembro 8

Nova Orleães por Luís Costa Ribas


Imagem da SIC on line

Nova Orleães por Luís Costa Ribas – um repórter “sem abrigo”. Os relatos de Luís Costa Ribas, enviado da SIC a Nova Orleães, sob o título Impressões, são um caso exemplar de abnegação de um jornalista que não tem medo de enfrentar a realidade nem poupa palavras para relatar, simplesmente, a verdade.

Contradições


Um Olhar da Inês – Fotografia de Hélder Gonçalves

“”Antisthène : “É verdadeiramente real fazer o bem e ouvir dizer mal de nós.”

“Cf. Marco Aurélio: “Seja onde for que se possa viver, pode viver-se bem.”

“Aquilo que detém uma obra projectada transforma-se na própria obra”

Aquilo que barra o caminho faz avançar.

Terminado em Fevereiro de 1942.””

Albert Camus

Caderno” n.º 3 (Abril de 1939/Fevereiro 1942) – Tradução de Gina de Freitas. Edição “Livros do Brasil” (A partir da “Carnets”, 1962, Éditions Gallimard).

(Camus assinala que o “Caderno" n.º 3 termina aqui. No início de 1942 tem uma recaída da tuberculose e viaja de Orão, acompanhado da mulher, para o sul de França – Le Panelier, próximo de Saint-Etiénne.)