quinta-feira, novembro 14

DIAS

Dizem que vai arrefecer, a meteorologia é, no nosso tempo, quase infalível. Semana a semana, dia a dia, a sair da zona cinzenta, com muito caminho por fazer, mas já se pressente que existe caminho firme para trilhar.

domingo, novembro 3

Vida

Difíceis estes estes últimos meses, uma prova de resistência, sem perder a esperança, acreditar sempre, sentir como todos os problemas à nossa volta têm um valor relativo face à importância da vida. Mais difícil ainda para quem acredita no Sagrado mas não acredita em Deus.

domingo, outubro 27

Pelo aniversário do meu filho Manuel

O texto abaixo foi escrito, treze anos atrás, a pedido do meu filho Manuel, para integrar o “portfolio” da disciplina de português do 10º ano. Publico-o como celebração do seu aniversário e em homenagem à sua mãe que só aparentemente dele está ausente. A professora, por sua vez, com razão, estranhou a ausência de parágrafos. Mas o texto, de facto, é mesmo assim. Uma espécie de mancha compacta povoada de palavras que exprimem uma imagem absolutamente subjectiva de alguém a quem queremos mais do que tudo.

O meu filho pediu-me para escrever um texto acerca dele próprio. Este é o texto mais difícil de escrever. Quando tinha a idade que ele tem agora as minhas dificuldades nos estudos eram mais acentuadas. A descoberta do corpo, nos alvores da adolescência, é fonte de prazeres e de medos. Julgo que sofri mais nessa fase da vida. Subjectividades. Nunca seria capaz de pedir aos meus pais que escrevessem um texto acerca de mim. Não que não fossem capazes apesar do nível de escolaridade que alcançaram ser mais baixo do que aquele que me deixaram de herança. Mas porque o olhar do meu filho acerca do papel dos pais mudou. Assim como mudou o seu olhar acerca do papel do professor e da escola. Ele tem, ao contrário dos pais na sua idade, mais capacidade de crítica e mais autonomia para expressar as suas opiniões. Gosta de participar e excede-se, porventura, na sua vontade de partilhar o espaço comum. Desde criança que exercita a sua curiosidade ouvindo todas as notícias. Mas, ao contrário das aparências, é tímido. Uma herança familiar. Receia enfrentar o desconhecido mas gosta de ouvir as discussões que transcendem a sua capacidade de entendimento. Gosta de discutir os temas da política e, em regra, é capaz de formular sínteses coerentes e equilibradas. Precisa de participar em actividades colectivas. Não sendo o teatro, ou a música, que seja o “parlamento”. Exercitará a capacidade de argumentação, a arte da palavra e as vantagens da síntese. Tem aprendido, progressivamente, a gerir a autonomia que lhe é oferecida e a organizar os seus tempos. Amadureceu a consciência de que precisa de trabalhar mais tempo e de forma mais organizada. É gentil. Vive no seio de uma família estruturada, uma tradição familiar que enraíza nas gerações passadas. É seguro. Desde criança que se enfurece quando lhe escapa das mãos qualquer objecto. Aprendeu a ouvir música para a qual sempre manifestou uma especial predilecção. É apreciador da natureza e da sua preservação, em particular, dos animais. Em criança aprendeu a pescar e a arranjar o peixe de que conhece todas as espécies. Aprecia os amigos, honra a intimidade e guarda os segredos. Entusiasma-se e distrai-se. Amadurece devagar. Sonha.

segunda-feira, outubro 14

A banca

Vou escrever uma coisa muito crua. Não confio nos gestores da banca. Desconfiança que não é de agora apesar da minha formação académica de base ser, imaginem, em finanças. Apreciei uma afirmação recente do PR que disse que duvida que tenham aprendido com as lições do passado recente. É da sua natureza nunca aprenderem desde que foram possuídos pela fúria ultra liberal ostentatória (ler Francisco - o Papa). Apresentam-se como os donos de riquezas que não são suas mas de quem lhes confia as poupanças. Falta-lhes modéstia e sentido de serviços em favor do bem comum e dos mais desfavorecidos - no caso da banca pública - e de verdadeira responsabilidade social no caso da banca privada. Ninguém tem coragem de lhes fazer frente e gabam-se das mentiras que sabem, pagando, fazer passar por verdades. De tempos a tempos os impostos vergam-se à sua falta de escrúpulos, e eles sabem.

Eleições legislativas

O PS ganhou as eleições legislativas mas, por vezes, parece a quem ouve certos propagandistas que as perdeu. Mas ganhou-as e está em condições vantajosas de formar governo e ninguém terá a coragem, à esquerda, de lhe barrar o caminho. Dizem que esse bom senso não vai durar sempre. Mal daqueles que não são capazes de ver com olhos de ver a realidade. Se quiserem uma vitória, daqui a uns anos, da direita extremista, extrema direita, ou dos protofascistas, como lhes quiserem chamar, comecem desde já a minar a maioria socialista do PS (e já agora o reforço do PSD no seu lugar de centro direita). Se quiserem que Portugal, em paz e concórdia, no contexto das disputas democráticas, avance no sentido do progresso preparem-se para apoiar, nas questões essenciais, o governo PS assim como, em janeiro de 2021, a recandidatura presidencial de Marcelo.

sexta-feira, outubro 4

ÀS URNAS!

Uma última palavra acerca das eleições legislativas que terão o seu desfecho no próximo domingo. Votarei no PS. Na verdade sempre votei no PS após ter votado no MES as duas únicas vezes que, antes de alegremente se finar, foi a votos: em 25 de abril de 1975 e 25 de abril de 1976, respetivamente para a Assembleia Constituinte e para a 1ª Assembleia Legislativa. O meu voto, em eleições democráticas, tem a mesma importância do voto de qualquer outro cidadão, daí a sua importância. Ninguém é mais importante que outrem nesta matéria de votar, somos todos iguais. Acresce que o meu voto, em eleições livres, não é condicionado por ninguém, sou eu próprio que, em consciência, decido. O voto livre e democrático é uma conquista civilizacional extraordinária pela qual vale a pena lutar pois, apesar de todos os seus defeitos, é a mais poderosa barreira aos populismos e a todas as tentações ditatoriais, que as há! A melhor forma de defender esta conquista extraordinária, salvaguardando a democracia e a liberdade, é exercer, em pleno, o direito ao voto. Como tal sempre os democratas proclamaram em todos os tempos: às urnas! às urnas!

domingo, setembro 29

Voto no PS

A uma semana das eleições legislativas de 6 de outubro já se vota. Hoje será o dia do voto antecipado "normal" que este ano atingiu um volume significativo de inscritos. Mas já se votou dias atrás nos hospitais, unidade de cuidados continuados e prisões, nestes casos com muito pouca divulgação e mesmo desconhecimento, e desinteresse, das próprias administrações dessas unidade (sei do que falo). A direita vocifera utilizando todos os meios contra o PS. A esquerda da esquerda segue-lhe os passos à sua maneira e não hesitará, à semelhança do que tem acontecido por esse mundo fora, e a história comprova, em aliar-se à direita para derrubar o PS. O futuro dirá como as espúrias alianças entre parte do poder judicial e as extremas (ainda não plenamente reveladas) irão evoluir sendo certo que já contam com a colaboração de uma multidão de idiotas úteis e, em breve, com um canal aberto de TV dominado financeiramente pelos espanhóis, a futura CMTVI. (o mais perigoso movimento em curso para fazer nascer, com expressão politica, a extrema direita em Portugal). Os democratas não têm outro caminho se não, nestas legislativas, dar a vitória ao PS, ou seja, a um bloco politico que garanta o equilíbrio entre justiça social e desenvolvimento económico, liberdade e justiça, nacionalismo e europeísmo.


domingo, setembro 22

VOTAR SEMPRE

Faltam 15 dias para o voto nas eleições legislativas. Ao contrário do voto nos partidos nos quais não voto, nem nunca votei, o pior é o não voto, ou seja, a ausência voluntária nas urnas. Após quase meio século de ditadura, com um ou outro simulacro de eleições sempre falsificadas, o abstencionista é um cobarde cujo desinteresse esconde uma vontade do quanto pior melhor, no tempo que é o nosso, um facilitador da tirania, ou seja, da supressão da liberdade.

domingo, setembro 15

Setembro

Setembro é um mês de bons augúrios. Desde ontem um pouco melhores expetativas neste inferno do calor de setembro. Redobrada a esperança.