segunda-feira, fevereiro 19

CONGRESSOS

O Congresso do PSD foi o que seria de esperar de um modelo de Congresso tradicional, passado de moda, que carece de ser, no caso de todo os partidos, metido na gaveta. Não sei será possível acontecer em tempo útil para que evite uma grave crise - já em curso- no modelo da democracia representativa. O PSD, este final de semana, mudou de protagonistas e anunciou uma mudança de posicionamento politico, ou seja, o reconhecimento de que, no pós eleições legislativas de 2015, ocorreu uma mudança de fundo que consistiu, simplesmente, na entrada na área do poder dos partidos de esquerda que até então, desde o 25 de abril de 74, se haviam acantonado numa postura de negação.
A partir de hoje o PSD vai tentar empurrar o PS para a esquerda e, ao mesmo tempo, chamá-lo a compromissos políticos em áreas já enunciadas por PS, PSD e PR. O tempo é escasso para o reposicionamento do PSD ainda para mais cravado por divisões internas bastante expostas. Se os indicadores económicos continuarem positivos, até à véspera das eleições legislativas (verão de 2019), o PS vencerá se souber gerir as expetativas. Só em Portugal, salvo erro, na Europa democrática, o socialismo democrático e a social democracia lutam pelo poder sem, por ora, serem ameaçados por partidos populistas.
É uma bênção. Espero, com sinceridade, que sejamos todos capazes de manter a capacidade de fazer prevalecer a democracia representativa, ou seja, a capacidade do diálogo politico na diversidade.

quarta-feira, fevereiro 14

PIB

A estimativa rápida do crescimento do PIB, em 2017, (2,7%), hoje anunciada, será confirmada mais tarde e, por tradição, deverá manter-se. Duas observações rápidas: os jornais digitais desvalorizaram, ou ironizaram, tal a dificuldade em engolir o sucesso que este indicador evidencia para o país (e o governo); por outro lado lembrei-me que o ano 2000, no qual o mesmo indicador atingiu este valor, foi o que antecedeu, em 2001, uma derrota autárquica do PS e a demissão do 1º ministro Guterres. Os sucessos, tal como os insucessos, na economia e na politica, têm sempre que ser valorizados na sua insondável volatilidade.

terça-feira, fevereiro 13

GENERAL HUMBERTO DELGADO - A PASSAGEM DA CAMPANHA PRESIDENCIAL PELO ALGARVE

No dia do 53º aniversário do assassinato do General Humberto Delgado republico um post antigo que associa a minha cidade de Faro a Humberto Delgado aquando da passagem da campanha presidencial de 1958 pelo Algarve.

Visitei um dia destes o Café Aliança, na minha cidade de Faro, acompanhado pelo meu filho. Aproximei-me das mesas dos “habitués” e meti conversa:

“ – Olá! Como estão, ando atrás de uma fotografia da passagem do Humberto Delgado aqui pelo café. Está difícil de encontrar.” Todos se interessaram pela conversa e, quase todos, tinham bem presente na memória a passagem de Humberto Delgado pelo Algarve.

“Eu vi-o entrar por aquela porta, isto estava cheio de Pides"; “Eu vi duas fotografias dele, uma naquela porta e outra aqui no café!”; “Eu estava, à época, em Olhão e vi a loucura que foi a sua recepção pelo povo!” As fotografias, até hoje, não apareceram mas isso pouco importa.

Foi no dia 3 de Junho de 1958, ao fim da tarde, que Humberto Delgado chegou a Faro: “Ao cair do dia, em Faro, esperava-o uma invulgar concentração de agentes da PIDE, por toda a cidade e no hotel onde ficou hospedado.” “ – Tive de me refrear para não me atirar a eles”, confessou. “O Café Aliança serviu de palco improvisado, numa grande barafunda de populares amontoados à entrada, a revezarem-se para ouvir e ver o candidato presidencial”.

No dia seguinte (4 de Junho) Humberto Delgado rumou a Portimão, visita que o seu neto descreve a traços largos e da qual destaco um detalhe:

“À porta do cemitério, também sobressaiu em arroubos de euforia uma operária conserveira, de seu nome Maria da Conceição Ramos Matias, que utilizou nesse dia as suas moedas de poupança para oferecer flores ao general. Gritou-lhe palavras de ordem de sabor comunista e, rebentando de emoção, impôs o seu desejo de lhe cantar sozinha o Hino nacional, até que, por estar tanto calor, lhe desmaiou nos braços.”

De regresso a Faro é assinalado um almoço tardio e a arrancada para visitar Olhão. Lembro-me da aglomeração de povo à beira dos passeios nas ruas de Faro, acontecimento absolutamente inédito, só comparável com a passagem de algumas procissões e, muito mais tarde, em 1966, aquando da chegada a Faro do bispo Júlio Tavares Rebimbas.

Ninguém sabia ao certo, nem os percursos, nem os horários do General em campanha, mas o meu pai encontrou o caminho, e o momento certo, para se integrar na comitiva que percorreu os nove quilómetros ente Faro e Olhão, que eu acompanhei, ainda criança, certamente, a bordo do Ford Prefect (LH-14-11) familiar. Lembro-me ainda de ter andado na rua, pela mão de meu pai, assistindo à calorosa recepção do povo de Olhão ao General.

Que estranho influxo de coragem atravessou o coração das gentes para que ousassem mostrar, publicamente, a sua dissidência, desafiando um regime político temido pela repressão que exercia sobre os seus opositores? Nesse mesmo dia, 4 de Junho de 1958, a comitiva seguiu para Tavira, Vila Real de Santo António, subindo depois na direcção de Beja cidade na qual a campanha havia de terminar, em apoteose.

(Transcrições, de “Humberto Delgado – Biografia do General Sem Medo”.)

domingo, fevereiro 11

GENERAL HUMBERTO DELGADO

No próximo dia 13 de fevereiro passam 53 anos sobre o assassinato do General Humberto Delgado. Assinalo essa triste efeméride com alguns posts acerca da sua figura e ação politica.

A sua emergência na oposição politica à ditadura ganhou expressão com a candidatura às eleições presidenciais de 1958. O anúncio da mesma ficou célebre, em 10 de Maio de 1958, na conferência de imprensa inaugural da campanha, no antigo Café Chave de Ouro, em Lisboa, com uma resposta do General ainda para mais se atentarmos ao contexto político da época em que foi proferida.

“Dez horas são dez horas!” – Cultor da pontualidade, Humberto Delgado tomou o seu lugar na mesa de honra.

Não foi preciso muito tempo para saber o que tinha Humberto Delgado a dizer quanto às suas intenções a respeito de Oliveira Salazar. Com efeito, essa pergunta delicada, perigosa e mais ansiada que todas, foi logo a primeira a ser colocada, pela boca do correspondente em Lisboa da agência France-Presse desde 1948, o jornalista Lindorfe Pinto Basto. (…)

“Sr. General, se for eleito Presidente da República, que fará do Dr. Presidente do Conselho?”

Cortando cerce o silêncio de sepulcro que se instalou no vasto salão de chá, Humberto Delgado proferiu firme e secamente estas palavras que tomando toda a gente de surpresa e de assalto, incluindo os seus mais próximos correligionários, ficaram para a posteridade e são uma das frases mais célebres e mais citadas da história contemporânea de Portugal:

“Obviamente demito-o!”*

*(… )“no entanto o jornalista Lindorfe Pinto Basto afirmaria, passados muitos anos, que a resposta de Humberto Delgado foi: “Demito-o, é óbvio!” (…)

domingo, fevereiro 4

Voltando ao chamado caso Centeno em modo "suspeito".

Voltando ao chamado caso Centeno em modo "suspeito". O dito ficou encerrado, mas não ficou encerrado. Não se conhecem as verdadeiras motivações das noticias a propósito, nem a natureza da ação do MP, nem a identidade de mentores e autores, somente - salvo os próprios - se conhecem rumores e se fazem suposições. Não se anteveem consequências tendo ficado, isso é certo, a pairar aquela suspeita, sob a forma tão portuguesa, do "não se tivesse posto a jeito". Caso o sentido de responsabilidade de Estado fosse levado a sério o processo estaria a ser investigado a fundo - não sei se não estará! - servindo, ao menos, para que a justiça desse um passo em frente na sua relação com a liberdade. Essa luta pela reconciliação entre justiça e liberdade que nas sociedades, em todos os tempos, seja qual for o regime politico, está permanentemente na ordem do dia. E já agora, como se tem dito a propósito, em próximos episódios (que deverão estar na calha) de apresentação a público de "suspeitos", que haja bom senso, de preferência, antes da subida à cena, porque depois é tarde para todas as partes e, em particular, para o estado de direito democrático regime que, muito mais do que se possa pensar, integra no seu seio muitos que o combatem em favor da tirania.

sexta-feira, janeiro 19

EUGÉNIO DE ANDRADE

Eugénio de Andrade (Fundão, Póvoa de Atalaia, 19 de Janeiro de 1923 — Porto, 13 de Junho de 2005)

Li hoje a notícia. O Eugénio de Andrade está muito doente
Uma notícia não desfaz o mundo nem o inexorável destino.
Peguei num livro e os teus poemas límpidos como a água
Perto da nascente correram pela minha face como gotas
Salgadas que se desfaziam nas letras cerzidas a ouro que
Soletrei com um olhar subitamente luminoso vendo-te
De pé no lugar do poeta que se deixa tomar pela beleza.

Li hoje a notícia. É verdade. A pena parou de garatujar
Versos claros, transparentes, amorosos, mais que perfeitos.
“A beleza não é lugar de perfeição.” Retrato de Actriz (Eunice)
Nemésio (Vitorino): “Ninguém te lê os versos, tão admiráveis
Alguns, e a prosa não tem muitos leitores, …” Admirável
Admiração a tua fazendo belo o mundo à volta, talentosos
Os outros, admiráveis se tu os sonhaste belos por dentro.

Li hoje a notícia. Um velho livro de poemas de Federico.
Ao teu jeito português foi o primeiro que li dele. A paixão
Desabrida em sangue cigano escorrendo pelos lábios
Sedentos de um amor implacável que ardia em chamas.
Soube o que era a Espanha mais por ele e por ti juntos
Do que por mil e uma travessias de fronteiras que além
De nós tinham o encanto das mulheres que se assumiam.

Li hoje a notícia. Já sabia que havias de adoecer um dia.
E o anúncio ao menos evita que alguém amigo te faça
O que fizeste ao Sena: “É por orgulho que já não sobes
As escadas? Terás adivinhado...” Senti ternura. A mão
Escapuliu-se-me e tomou o lugar do coração que pulsou
Mais depressa agarrando tudo o que havia por perto
Fazendo uma concha de terra florida para te guardar.

A voz. Li hoje a notícia. Aguardo a tua despedida tal
Como se fosse a de um familiar íntimo perto de mim.
Seguro a tua mão ouço o suspirar do teu corpo no fim
Conheço os teus versos mas não sei se será suficiente.
E me interrogo que farão da tua memória os vindouros.
Não foste fonte de poder nem encantador de serpentes.
Simplesmente poeta. Quanto baste para não ser gente.

Lisboa, 7 de Junho de 2004