sexta-feira, janeiro 20

20 DE JANEIRO

Hoje é dia 20 de janeiro que assinala o final de um quadriénio presidencial americano e o inicio de mandato de um novo inquilino da "Casa Branca". Ao contrário dos últimos 8 anos, correspondentes a dois mandatos presidenciais nos USA, com inicio em 20 de janeiro de 2009, pouco tenho para dizer, quase nada me apetece dizer. Deixai falar o silêncio. Lembro-me de leituras antigas a cujos ensinamentos, com mais ou menos vigor, e lucidez, me mantive fiel ao longo do tempo. Nada, nem ninguém, me fará desesperançar no futuro do homem e na sua capacidade de resistir às ameaças à liberdade, à democracia, à paz e concórdia entre os povos e as nações. Com respeito aos valores fundamentais em que assentam as nossas sociedades democráticas, com seus vícios e virtudes, nada está definitivamente assegurado, mas também nada está definitivamente perdido. Existe pelo meio o tempo e o espaço nos quais se movem os mais mesquinhos interesses, e seus coros de guerra, mas também as forças do espirito da liberdade, da cultura e da paz que, no caso da Europa do pós guerra, durante mais de 70 anos foram capazes de resistir às tentações totalitárias. Estou convicto que continuaremos, atentos e vigilantes, a mantermo-nos fiéis, no próximo futuro, a essas extraordinárias conquistas alcançadas com o sacrifício de milhões de vidas de cidadãos do mundo.

segunda-feira, janeiro 16

A SAÚDE

Saindo da última curva das dores do corpo dou-lhe algum merecido repouso, a conselho, sentindo o inicio da revolta contra o marasmo da ação. Um problema que me acompanha a vida toda, qual seja, a de não dominar de forma adequada, a vertigem pelo movimento. Uma vez mais pude testemunhar a complexidade das atividades na área da saúde, a maturidade na gestão de equipas diversas e complementares, a qualidade técnica e humana dos seus profissionais (deverá haver, certamente, exceções) no cuidar de uma multidão de cidadãos aflitos por uma miríade de maleitas. O sistema português de saúde é um puzzle onde se encaixam vários subsistemas, complementando-se e concorrendo. Nada sei, de ciência certa, acerca das suas virtualidades a não ser da experiência de escassas frequências pessoais dos seus interstícios. Mas o que sei dá para perceber que, desde que o SNS não seja desmantelado, com mais ou menos recursos públicos afetos às restantes ofertas (privada e da economia social), os cuidados de saúde prestados aos portugueses ainda poderão melhorar. É um desígnio e um desejo. Haja saúde!

sexta-feira, janeiro 13

O CORPO

O corpo faz exigências que vergam as tarefas do quotidiano à sua pequenez. O corpo pode exigir descanso para recuperar do cansaço,tratamento para o curar da doença,relaxamento para beneficiar da preguiça. O pior de tudo é a doença. Daí a saudação tradicional, "haja saúde", sempre associada ao maior dos bens que pudemos possuir. Desde a passada 3ªfeira estou a recuperar de uma intervenção necessária para me devolver a qualidade de vida. Nada de grave e com expetativa positiva de rápida recuperação. Nos últimos 15 anos nunca havia adoecido (salvo pequenos achaques) nem faltado ao trabalho. Nem eu próprio tinha a noção exata deste longo período de tempo de vida saudável atravessando um período de vicissitudes da vida nem sempre fáceis de ultrapassar. Tudo para dizer que se aprende a apreciar o trabalho dos profissionais da saúde em todo o tipo de estabelecimentos - públicos, privados e da economia social - a nossa resistência à dor e a atenção dos nossos familiares e amigos. Adiante.

sexta-feira, janeiro 6

Passam os anos ....


Passam os anos e damo-nos conta que o nosso corpo muda, de forma desigual, cada vez mais exposto à erosão, ou desgaste, dos materiais de que é feito. Nada de novo. É a lei da vida que as estatísticas demográficas demonstram na sociedade inteira e os nossos corpos revelam na intimidade do nosso quotidiano. Para dizer que na próxima semana serei sujeito a uma cirurgia, que replica outra (única) realizada 15 anos atrás. Nada de grave salvo a ansiedade que antecede estes momentos em que a nossa resistência, física e psicológica, é posta à prova. Porque razão escrevo acerca deste acontecimento banal? Para que os meus amigos fieis na leitura deste blogue fiquem a saber. Nada de mais.
(A fotografia destina-se a comprovar visualmente o antes dito...)

quarta-feira, janeiro 4

Pelo 57º aniversário da morte de Camus

A última carta de René Char a Albert Camus é datada de uma segunda-feira de Dezembro de 1959. Char manifesta interesse em passar, ao menos, um dia com Camus, e família: (...) “Ne vous inquiétez pas. Je me ferai transporter en auto à Lourmarin* dans la matinée du jour fixé. Embrassez Catherine et Jean pour moi. Affection à Francine. De tout cœur à vous toujours. René Char.»

*Deux jours avant le départ d’Albert Camus, René Char vint, en compagnie de Tina Jolas, passer une journée avec lui. Au moment de se quitter, Albert Camus lui dit, en parlant de La Postérité du soleil : « René, quoi qu’il arrive, faites que notre livre existe !»

Char foi a última pessoa a visitar Camus antes da sua morte, na viagem de regresso a Paris, no dia 4 de Janeiro de 1960.

segunda-feira, janeiro 2

Marcelo 2017 - segundo dia

Ainda à entrada do ano novo umas palavras acerca do Presidente Marcelo no qual, enquanto candidato, não votei. Desde o inicio a sua notoriedade pessoal era tamanha que lhe permitiu conduzir uma campanha sem os constrangimentos do propagandismo tradicional. Uma vantagem que se casou bem com a sua personalidade permitindo-lhe surgir aos olhos do povo como um cidadão igual aos outros - sendo tão diferente! Nos tempos que correm, propensos às mais variadas derivas populistas, eis que Marcelo inventa um discurso politico, e uma postura cidadã, apropriáveis pelo maior número, até ao presente, passando ao lado do populismo tendencialmente anti democrático. Ser popular não é ser populista. Qual o segredo? Ser capaz de manter um ritmo na ação muito além da que resulta da vulgar postura institucional/burocrática; dispor de sensibilidade para entender quão importante se torna, nos nossos dias, encurtar a distância entre os políticos e os cidadãos; manter viva a inteligência para não desprezar o valor do tempo, na vida e na politica, apesar de tudo parecer nele excessivamente rápido; ser capaz de prevenir nas relações institucionais para não ter que intervir; ser autêntico na busca de acordos, equilíbrios, diálogos e, se possível, consensos entre forças e tendências aparentemente inconciliáveis; entender a dimensão e o peso, no contexto internacional, do país (pequeno e muito dependente) redimensionando a esfera da ação externa a todos os níveis. É pouco, é muito? É circunstancial, é permanente? É tático, é estratégico? Nunca se sabe ao certo numa época tão excessiva em disrupções e ameaças estruturais em cada estado nação e na esfera supra nacional. Mas já lá vai o tempo em que era aceitável mantermo-nos impávidos, e serenos, nas nossas certezas para não aceitarmos olhar e ouvir, atentamente, as certezas dos nossos adversários. Na politica, como na vida, mais vale a abertura critica à mudança, que corre em todos os sentidos, do que o silêncio das certezas mortas .

domingo, janeiro 1

1 de janeiro 2017

1 de janeiro. Faz frio em Lisboa, embora temperado; mudámos de ano civil mas não mudámos de vida. A guerra (fria? quente?) continua, embora Guterres, na sua primeira mensagem como SG da ONU, apele à paz. Este apelo à paz era expetável, embora não feito por ele. A eleição de Guterres é, para Portugal, o acontecimento mais relevante das últimas décadas. Um pequeno país, em dimensão física e demográfica, cuja afirmação no mundo só pode ser alcançada pela ousadia das iniciativas que promovam a sua projeção externa com visão estratégica. A União Europeia existe mas é vista pelas grandes potências globais, e regionais, como um projeto falhado (logo veremos!)que valorizam, cada vez mais, cada um dos países que a integram. Sem cair na armadilha do populismo, do nacionalismo exacerbado, é urgente entender que de fora nos olham pelo que valemos. E que valeremos, enquanto país, tanto mais quanto mais nos soubermos valorizar aos olhos dos outros.