quinta-feira, janeiro 9

Ir pela sua mão

Em memória de meu pai

Ir pela sua mão era caminhar
para um paraíso sem nome,
sonhar uma aventura terna
sabendo de cor o caminho
de regresso a casa a pé
sem guia nem vertigens

Ir pela sua mão aberta
à ternura de mão solitária
era saborear um engano
sem mácula, sobreviver
e nada dever aos outros
que se não pudesse devolver

Ir pela sua mão desarmada
não deixava rasto no chão
e a minha cabeça voava à roda
do meu coração que batia
como agora quando me escapo
à rotina do bater do dia

Ir pela sua mão lembra-me
sempre o dobrar dos dias,
homens tristes de ombros
postos nas esquinas luzidias
esperando taciturnos perder
o sentido do seu próprio corpo

Ir pela sua mão seria partir
do nada ao especial feito,
rasgar um caminho incerto
de mágoas, uma alegria banal,
sagradas confidências guardadas
entre nós que se não confiam

Ir pela sua mão dava acesso
ao mundo, mas ninguém soube
das suas amantes que eu vi,
nem dos gritos do seu olhar
que se abria dolente para mim
pedindo em silêncio aceitação

Eu tudo lhe dei sempre sem pedir
nada em troca, somente por vezes
a sua mão para ir nela confiante
em busca de um caminho qualquer
que não sabia onde levava nem
isso de verdade nada interessava.

(In "Ir pela sua mão" - Maio 2003 - Editora Ausência.)

sábado, janeiro 4

4 janeiro - 60 anos após a morte de Albert Camus


Camus publicou em vida dezanove obras, de 1937 a 1959, entre as quais se destacam os romances (“L’Étranger” em 1942, “La Peste” em 1947), as novelas (“La Chute” em 1956, “L’Exil et le Royaume” em 1957) as peças de teatro (“Caligula” e “Le Malentendu" em 1944, “L’État de siège" em 1948, “Les Justes” em 1950), e os ensaios (“L’Envers et l’Endroit" em 1937, “Noces” em 1939, “Le Mythe de Sisyphe” em 1942, “Les lettres à un ami allemand” em 1945, “L´Homme révolté” em 1951 e”LÊté” em 1954). É necessário ainda juntar três recolhas de ensaios políticos (“Les Actuelles”), “Les deux Discours de Suède” (pronunciados aquando da atribuição do Nobel) e a contribuição para a obra de Arthur Koestler intitulada “Réflexions sur la peine capitale”.

Outras obras foram editadas após a sua morte entre as quais se contam o “diário” dos seus pensamentos e leituras, assim como notas de trabalho, publicado sob o título “Carnets”; o diploma de estudos superiores de 1936: “Métaphysique chrétienne et néoplatonisme”, publicado pela “La Pléiade”; o romance inédito, “La Morte heureuse”, cuja redacção data de 1937; o manuscrito inacabado, encontrado na pasta de Camus depois do acidente de viação que o vitimou:“Le Premier Homme”, esboço do que viria a tornar-se o seu grande romance quasi autobiográfico e ainda a sua correspondência com o amigo Jean Grenier.

terça-feira, dezembro 31

2020

Bom Ano de 2020. Esperança no futuro. Vida vivida como melhor cada um deseje. Trabalho e saúde. Liberdade.

quinta-feira, dezembro 19

16 anos

Passam hoje 16 anos desde o dia em que criei este blog. Foi uma decisão de momento, tardia, numa fase difícil da minha vida. Não me arrependo e mantenho-o vivo apesar do declínio dos blogs, alimentando-o com menos regularidade mas sem desistir dele. Um dia destes vou recomeçar a escrever mais intensamente aqui e talvez também poesia.
Fotografia de Hélder Gonçalves

quarta-feira, dezembro 11

Esperança

Tantas efemérides têm passado sem que delas aqui dê notícias. A minha fadiga é demasiada e busco resistir a ela como noutras ocasiões de acontecimentos nefastos. Seis meses exatos sobre um desses acontecimentos brutais que nos atingem no mais fundo do ser. Depois deste longo tempo de sofrimento surgem sinais de esperança consistentes que espero se confirmem num próximo futuro.

quarta-feira, dezembro 4

terça-feira, novembro 19

José Mário Branco - Canção "Mudar de Vida"


Sinais encorajadores

Dizem que vai chover nos próximos dias, uma boa notícia para o equilíbrio ecológico, económico e social. Pelo lado pessoal, e familiar, as notícias dão conta e apresentam melhorias apontando no bom caminho. Ainda há caminho a percorrer mas os sinais são encorajadores. O tempo, no entanto, deixa as suas marcas.

quinta-feira, novembro 14

DIAS

Dizem que vai arrefecer, a meteorologia é, no nosso tempo, quase infalível. Semana a semana, dia a dia, a sair da zona cinzenta, com muito caminho por fazer, mas já se pressente que existe caminho firme para trilhar.