domingo, fevereiro 19

Um dia - vai para muitos anos ...

A propósito de notícias recentes que colocaram nas primeiras páginas as memórias de Cavaco, reproduzo grande parte de um post antigo - de novembro de 2005:

Um dia – vai para muitos anos – estava a assistir a uma aula do dito cujo no meio da maior das contestações que é possível imaginar – devia ser de finanças públicas que era (e é) a sua única especialidade – ele explicava a coisa com base no exemplo da ilha onde a comunidade era reduzida a um humano, ou a um casal de humanos, já não me lembro muito bem.

Estávamos fartos, como os jovens estão sempre fartos de formalismos e trejeitos autoritários, se forem jovens normais, claro, quando o dito a propósito de uma reivindicação, certamente exagerada, como são todas as reivindicações dos jovens, disse uma mentira cuja já não me lembro qual foi.

O homem, naquele momento, revelou-se, a meus olhos e ouvidos, um mentiroso compulsivo, e apossou-se de mim um desassossego fulminante que deu no que deu, ou seja, numa refrega forte e feia que o fez vacilar e, dizem, cair desmaiado mas eu não vi, ou já não me lembro, pois me debatia nos braços de quem me susteve os ímpetos.

Quem estava presente e assistiu à cena, digna de um filme de acção, a preto e branco, género série B, sabe melhor do que eu descrevê-la, que já mo têm feito, mas eu não acredito em nada do que se passou, passa e passará, com o dito cujo desde a ocorrência do infausto acontecimento.

Fiquei em estado de amnésia intermitente face à criatura – que sofre do mesmo mal mas do ramo político – e fiquei possuído por uma descrença, em geral, acerca do saber dos professores e, ainda mais, dos métodos por eles utilizados. É um clássico na matéria mas, graças a Deus, há excepções.

Toda esta prédica é para dizer que me preocupa, ligeiramente, ter de me assumir como concidadão da mentira elevada à mais alta dignidade do estado.

A pobrezinha da Nação merece melhor, na mais alta magistratura, que mais não seja, alguém, do cuja verdade sempre se possa duvidar, mas que assuma a política pelos cornos, sem vergonha e com coragem, elevando-se ao nível do que ela é, a mais nobre arte de transformar o homem e o mundo.

Desculpai o desabafo. A bem da Nação. Aos 14 de Novembro de 2005.

segunda-feira, fevereiro 13

HUMBERTO DELGADO

13 de Fevereiro de 1965 – A minha homenagem à memória do General Humberto Delgado pelo 52º aniversário do seu assassinato.

sexta-feira, fevereiro 10

TEMPOS CINZENTOS

Escrever faz-me falta mas são demasiados os dias cheios de tarefas a que me obrigo estreitando a margem para o exercício da escrita. O tempo em que vivemos, ou a perceção dele, é cinzento (escuro)repleto de ameaças, as mais agrestes das quais são a mentira que esmaga a verdade e a tirania que ameaça a liberdade. Somos cada vez mais obrigados a desconfiar de tudo o que mexe à nossa volta e de todos os que se cruzam no nosso quotidiano. Instituições que ao longo de gerações foram pilares da confiança dos cidadãos na vida em comunidade deixaram de ser confiáveis. Acredito no futuro mas o exercício de acreditar tornou-se uma tarefa hercúlea. Anunciam-se tempos de guerra, assuma a forma que vier a assumir. Como diz o povo: temos que estar preparados para tudo!

quinta-feira, fevereiro 2

Um tempo novo

Criei este blog em 2003 e nele tenho colocado opinião que só a mim responsabiliza, imagens, música, uma imensidão de peças, mas nunca senti um tão intenso sentimento de insegurança e de medo pelo futuro. Adensam-se os sinais de guerra. Basta esta perceção para nos tentar a mudar o tom da intervenção que está ao alcance da nossa inteligência e sensibilidade. Para aqueles que toda a vida lutaram pela dignidade nas relações humanas, a todos os níveis, pela liberdade no sentido mais amplo, pela paz, tolerância e concórdia entre os povos e as nações, pela defesa da democracia, vive-se um tempo de dúvidas e incerteza, como nunca antes sentimos em nossas vidas. Não há outra atitude a tomar, face a todos os perigos deste tempo novo, se não a de nos mantermos firmes na defesa dos mesmos valores humanistas de sempre, sem vacilações nem desfalecimento.

sábado, janeiro 28

A liberdade ameaçada

Quando se adensam no horizonte densas nuvens ameaçadoras para a liberdade e para a paz é necessário não perder tempo, nem hesitar, na denuncia de todas as situações que, na politica e na sociedade, para elas contribuam. Por vezes são de tal forma evidentes os sinais que, como soe dizer-se, tendem a ser encarados como um "novo normal".
Ou como está documentado por vasta obra de ficção, e pela evidência histórica, a brutalidade das consequências das medidas politicas proclamadas, e concretizadas, pelos aprendizes de feiticeiros insinua-se aproveitando a tibieza dos democratas no combate contra as ameaças à liberdade.
Os nacionalismos exacerbados são uma porta de entrada das tiranias e eis que, neste tempo que é o nosso, aí estão impantes em todo o seu esplendor. O que fazer? Denunciar sempre e, se for o caso, mais cedo do que tarde, estando em causa a liberdade, estejamos preparados para os enfrentar por todos os meios.

sexta-feira, janeiro 27

A intervenção silenciada de ANTÓNIO SANTOS JÚNIOR no 1º de Maio de 1974

Morreu António Santos Júnior, histórico dirigente operário e sindical, militante e dirigente do MES desde a primeira hora. Integrou a primeira estrutura dirigente do MES logo após o 25 de abril de 1974. Foi o dirigente indicado para fazer um discurso, em nome do MES, no grande comício do 1º de Maio de 1974. Foi silenciado mas o seu discurso escrito sobreviveu:
Camaradas!

Trabalhadores!

Para os que não me conhecem: Eu fui presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa e da Federação dos Sindicatos dos Metalúrgicos durante 4 meses até ser destituído pelo Governo de Marcelo Caetano.

Estou aqui para, com a minha voz de trabalhador, vos falar em nome do Movimento de Esquerda Socialista (em organização).

Antes de mim falaram representantes do Movimento Democrático, do Partido Socialista, do Partido Comunista.

Já antes do 25 de Abril não eram só estas organizações que existiam.

Existiam outros movimentos que se manifestavam em lutas operárias:

- Na Fábrica.
- Nos Sindicatos.
- No nível político através dos grupos socioprofissionais mistos (surgidos na movimentação do período eleitoral de 1973 e que desde então continuam a trabalhar).

Manifestavam-se também nas lutas estudantis e na luta anti-colonial.

Em todas estas lutas fez-se sentir o peso esmagador dos trabalhadores que as levaram por diante, embora nelas também se tenham integrado cristãos revolucionários e elementos socialistas.

No fim de contas um grande grupo de pessoas lutava, luta e jamais deixará de lutar por um socialismo perfeitamente controlado em todos os seus aspectos, desde o económico ao político, do cultural ao social, pela classe operária! Repito, uma sociedade que seja controlada em todos os seus aspectos pela classe operária!

Camaradas Trabalhadores, neste momento saudamos os soldados de Portugal, o Movimento das Forças Armadas que derrubaram os aparelhos de Opressão constituídos e que criaram, portanto, condições absolutamente novas para o desenvolvimento da nossa luta de trabalhadores.

- efectivamente a censura acabou
- a PIDE, Legião e outras organizações estão a ser destruídas.

Mas … Tenhamos atenção. Nem todas as formas de repressão foram já abolidas.

Todos nós sabemos que a repressão que até agora vínhamos sentindo e sofrendo nas fábricas e em todos os locais de trabalho vai pretender continuar!

Formas de repressão tais como: despedimentos repressivos nas fábricas e em todos os locais de trabalho. As cargas policiais sempre que nós trabalhadores entrávamos em greve ou por qualquer outra forma lutávamos pela defesa dos nossos interesses. A recente luta dos trabalhadores da TAP foi disso o mais recente exemplo, mas foi também um dos raros momentos na história recente das nossas lutas em que nós trabalhadores nos conseguimos opor vitoriosamente à repressão: as forças policiais tiveram de recuar e nem um só dos nossos camaradas foi despedido. A acção dos bufos e de todos aqueles que nos locais de trabalho ajudam o patronato a impor-nos a sua tirania.

Contudo … Também a nossa exploração continua! Concerteza que os patrões vão pretender continuar a pagar-nos salários miseráveis e ajudados por essa miséria onde nos lançam obrigar-nos a aceitar horas extraordinárias em série em vez de satisfazerem as nossas reivindicações de redução de horário de trabalho.

Vão continuar a obrigar-nos a trabalhar em péssimas condições de higiene e segurança, vão no fim de contas continuar a explorar-nos!

Por isso perguntamos:

A exploração irá continuar?

As Caixas de Previdência vão continuar a estar ao serviço dos capitalistas e dos colonialistas ou vão passar a estar nas nossas mãos e portanto ao serviço do todo o povo?

Será que muitos de nós vão continuar em casas miseráveis ou em barracas enquanto outros vivem em luxuosas vivendas que são autênticos palácios?

Será que vamos continuar a perder longas horas do nosso dia em transportes incómodos e cada dia mais caros, enquanto outros têm vários automóveis, qual deles mais caro e com os seus motoristas particulares?

Será que as escolas dos nossos filhos vão continuar a ser fábricas e oficinas ou será que as escolas neste país se vão finalmente abrir para todos os filhos do povo?

Será que a Guerra e exploração coloniais vão continuar?

Se queremos ser nós a construir o futuro do nosso país e não admitimos que ninguém o faça em nosso nome, não devemos contribuir para que os povos das colónias possam também tomar nas suas próprias mãos os destinos dos seus países?

A resposta a todas estas perguntas devemos ser todos nós a dá-la diariamente da única forma que serve efectivamente os nossos interesses de trabalhadores, que serve efectivamente os interesses do povo!

A nossa luta tem de continuar sem desfalecimentos e só terminará com a construção de uma sociedade sem classes sem exploradores nem explorados, de uma sociedade onde não tenhamos de nos vender diariamente!

Temos de construir uma sociedade socialista!

Este é o nosso objectivo e para o atingir estamos abertos à mais ampla colaboração com todas as forças políticas que igualmente lutam pela emancipação de todo o povo, pela construção do socialismo.

CAMARADAS!

É necessário não esquecer nunca uma verdade que a história das lutas dos trabalhadores em todo o mundo tem demonstrado!

A EMANCIPAÇÃO DOS TRABALHADORES SÓ PODE SER OBRA DE NÓS PRÓPRIOS TRABALHADORES!!!

Born on January 27, 1756, in Salzburg, Austria, Wolfgang Amadeus Mozart.


sexta-feira, janeiro 20

20 DE JANEIRO

Hoje é dia 20 de janeiro que assinala o final de um quadriénio presidencial americano e o inicio de mandato de um novo inquilino da "Casa Branca". Ao contrário dos últimos 8 anos, correspondentes a dois mandatos presidenciais nos USA, com inicio em 20 de janeiro de 2009, pouco tenho para dizer, quase nada me apetece dizer. Deixai falar o silêncio. Lembro-me de leituras antigas a cujos ensinamentos, com mais ou menos vigor, e lucidez, me mantive fiel ao longo do tempo. Nada, nem ninguém, me fará desesperançar no futuro do homem e na sua capacidade de resistir às ameaças à liberdade, à democracia, à paz e concórdia entre os povos e as nações. Com respeito aos valores fundamentais em que assentam as nossas sociedades democráticas, com seus vícios e virtudes, nada está definitivamente assegurado, mas também nada está definitivamente perdido. Existe pelo meio o tempo e o espaço nos quais se movem os mais mesquinhos interesses, e seus coros de guerra, mas também as forças do espirito da liberdade, da cultura e da paz que, no caso da Europa do pós guerra, durante mais de 70 anos foram capazes de resistir às tentações totalitárias. Estou convicto que continuaremos, atentos e vigilantes, a mantermo-nos fiéis, no próximo futuro, a essas extraordinárias conquistas alcançadas com o sacrifício de milhões de vidas de cidadãos do mundo.

segunda-feira, janeiro 16

A SAÚDE

Saindo da última curva das dores do corpo dou-lhe algum merecido repouso, a conselho, sentindo o inicio da revolta contra o marasmo da ação. Um problema que me acompanha a vida toda, qual seja, a de não dominar de forma adequada, a vertigem pelo movimento. Uma vez mais pude testemunhar a complexidade das atividades na área da saúde, a maturidade na gestão de equipas diversas e complementares, a qualidade técnica e humana dos seus profissionais (deverá haver, certamente, exceções) no cuidar de uma multidão de cidadãos aflitos por uma miríade de maleitas. O sistema português de saúde é um puzzle onde se encaixam vários subsistemas, complementando-se e concorrendo. Nada sei, de ciência certa, acerca das suas virtualidades a não ser da experiência de escassas frequências pessoais dos seus interstícios. Mas o que sei dá para perceber que, desde que o SNS não seja desmantelado, com mais ou menos recursos públicos afetos às restantes ofertas (privada e da economia social), os cuidados de saúde prestados aos portugueses ainda poderão melhorar. É um desígnio e um desejo. Haja saúde!