domingo, dezembro 10

Albert Camus - 60º aniversário da entrega do nobel da literatura

No dia do 60º aniversário da entrega do Nobel da literatura a Camus retomo uma reflexão acerca do sentido da sua obra. Desta forma dou sentido a uma ideia que se instalou nos primórdios deste blog, prestes a completar 14 anos de vida, de se trata de um blog Camusiano, o que nunca foi intenção do autor do mesmo.

A obra de Camus lança os fundamentos de uma filosofia do homem sem Deus numa tripla perspectiva: uma maneira de conceber o mundo (o absurdo); uma maneira de existir (a revolta); uma maneira de estar na vida (o amor).

O sentimento do absurdo orienta Camus para a descoberta dum valor – a revolta. Este valor não se situa nem na eternidade religiosa, nem na sua substituição laica, a história, mas, de forma muito cartesiana, no “provisório” que envolve toda a vida do homem e que, por esse facto, representa para ele o “definitivo”.

O projecto de Camus não é somente o de lançar os fundamentos de uma sabedoria de tipo existencial acerca da compreensão individual da revolta mas, de forma mais alargada, de uma sabedoria social e política a partir da compreensão histórica dessa revolta.

Esta passagem da revolta solitária contra o absurdo à revolta solidária contra o mal da história efectua-se pondo em evidência um novo cogito: “Revolto-me, logo somos”.

Em Camus a revolta, no início e no fim, está ligada ao amor. Não é pelo facto da existência ser um absurdo que o homem revoltado deve sucumbir à tentação de tudo negar. É preciso, incondicionalmente, preservar o valor da vida e do humano na sua tripla dimensão, ao mesmo tempo, existencial e individual, histórica e comunitária, mas também, cósmica, negando o que oprime o homem (o absurdo, o mal). Camus tem uma percepção física e metafísica da dignidade humana.

Identificar o inumano (o absurdo, o niilismo, o ressentimento, o mal), fundar o humano (a revolta, o amor), lançar os fundamentos de uma filosofia do homem sem Deus foi a tentativa filosófica e literária de Camus.

Propor uma sabedoria inédita, ao mesmo tempo, individual, colectiva e cósmica contra tudo o que nega o homem, o mutila e tende a destruí-lo é o fio condutor de toda a sua obra.

Os fundamentos desta filosofia do homem sem Deus são a revolta-e-o-amor. Ou ainda, com André Conte-Sponville, o absurdo-a revolta-o amor: 1) o não do mundo ao homem (o absurdo); 2) o não do homem ao mundo (a revolta); 3) o sim originário e último à vida, aos seres, à terra que os dois nãos, com o consentimento subjacente, assumem (o amor).

“Pessimista quanto ao destino humano – afirmava Camus – eu sou optimista quanto ao homem. E não em nome de um humanismo que sempre me pareceu limitado, mas em nome de uma ignorância que tenta não negar nada.”

Em 1957, nas vésperas de lhe ser atribuído o Nobel, ele declarou:

“ao descer de um comboio, um jornalista perguntou-me se me ia converter. Respondi: não. Nada mais que a palavra: não …Tenho consciência do sagrado, do mistério que há no homem e não vejo razões para não confessar a emoção que sinto perante Cristo e os seus ensinamentos. Receio, infelizmente, que em certos meios, em particular, na Europa, a confissão de uma ignorância ou a confissão de um limite ao conhecimento do homem, o respeito pelo sagrado, surjam como fraquezas. Mas se são fraquezas, assumo-as com força …”

sexta-feira, dezembro 8

Centeno - outra vez

Os fazedores de opinião, de todas as formações académicas, ligações politicas e defensores de interesses mais ou menos ocultos, insistem na sua campanha de descredibilização de Centeno, ou seja, dos resultados da politica que o governo tem adotado e na qual Centeno desempenha, certamente, um papel relevantes.
A tese é simples e, aparentemente, muito rudimentar: se não fosse a politica do anterior governo não seria possível o sucesso de Centeno e daí a sua eleição para dirigir o Euro grupo. É qualquer coisa, mal comparada, em homenagem aos adeptos do Sporting, caso vença o Campeonato, como dizer que o sucesso de Jesus será resultado da politica do Boloni (do que fui lembrar!) ou do Marco Silva! Ao passado sempre sucede o presente e ao presente sucederá o futuro...(em todos os casos com aspetos de continuidade e de rutura).
Já escrevi por aí o que penso de Centeno que os críticos dizem que era um desconhecido. Pois na verdade antes de ser conhecido ... e Centeno tem 50 anos de idade, afinal um jovem para a "missão impossível" de assumir as Finanças com o objetivo de conjugar o cumprimento das metas da zona euro, e da UE, com as exigências da esquerda da esquerda que apoia o governo socialista.
A direita, de todas as qualidades (incluindo uma parte que se acolhe no PS) nunca, jamais, aceitará esta "coligação" espúria e ainda para mais tendo alcançado resultados dois anos atrás considerados impossíveis. Espreitam uma oportunidade e, como sempre acontece na politica, mais dia menos dia, mais ano menos ano, ela surgirá. Mas entretanto o tempo não para e Centeno assumirá por um período mínimo de 2 anos a presidência do Eurogrupo que apesar de não valer porra nenhuma, como afirmou um finíssimo intelectual da nossa direita, é o lugar no qual, de forma informal, se debate o futuro da zona euro, do €, e se preparam medidas de fundo que, percorrendo os caminhos da burocracia da UE, desembocam em decisões que marcam o futuro da moeda única,da UE,dos países que a integram e dos respetivos povos.
Basta um mínimo de bom senso para entender, além do mais, o valor simbólico da eleição de Centeno - uma mudança de politica influenciada pela confirmação do falhanço das politicas puras e duras de austeridade e pelas mudanças politicas nos países centrais da UE - Alemanha (em crise politica e em vésperas de uma grande coligação na qual o SPD terá que assumir uma posição mais influente) e França (de Macron representando uma politica centrista - também pouco convencional - capaz de se libertar relativamente da ortodoxia neoliberal aberta ao ensaio de novas soluções).
Tudo isto é muito mais complexo pois não se pode descartar a curto/médio prazo uma subida das taxas de juro, mudança de orientação da politica monetária do BCE, subida consistente das forças politicas de extrema direita no seio da UE, reforço das pressões no sentido da fragmentação de alguns países que resultam de confederações de nações (Espanha, Bégica, ...) e muito mais. Todo um futuro indecifrável em muitos aspetos ainda para mais apimentado pelo destempero de Trump e pela ascensão da China assumidamente a caminho de se consagrar como a primeira potência global.
Centeno é só um jovem politico, oriundo da academia, curiosamente natural de Olhão - terra que deu ao longo da história grandes vultos á epopeia portuguesa e um cidadão decente, nada mau principio para Ministro das Finanças e Presidente do Euro grupo o que talvez doa a muita gente. Haja saúde!

domingo, dezembro 3

O Zé Pedro morreu

Uma imagem que vale por mil palavras. Uma ressonância antiga que reemerge: unidos na vida e na morte!
Fotografia de João Porfírio

sexta-feira, dezembro 1

A propósito do 1º de dezembro

Num tempo como o nosso de tantas incertezas (afinal comuns a todos os tempos) convivo mal com a ignorância e subalternização da história. Não que seja um especialista, ou estudioso, de história no sentido académico mas como simples cidadão interessado em conhecer os caminhos que nos conduziram, em todos os domínios, até ao presente. Se não erro não há, hoje, um único programa nos canais de televisão generalistas que verse acerca de história. A história de Portugal bem merecia que os meios públicos de comunicação - RTP/RDP - lhe dedicassem uma especial atenção. Vou esperar sentado ... até que a sociedade civil tenha suficiente força para impor a concretização de uma iniciativa que, de forma atraente, divulgue o essencial da história de Portugal.

domingo, novembro 26

GOVERNO - DOIS ANOS


Transcrevo abaixo o que escrevi no dia 27 de novembro de 2015 aquando da posse do governo em funções. Muita coisa foi feita em linha com o que era expetável e de todas estas destaco a retomada da confiança, interna e externa, que permitiu prestigiar Portugal perante os parceiros europeus, os mercados e as opiniões públicas. Não é uma pequena obra cujo sucesso, no entanto, está sempre sujeito às vicissitudes de fatores externos numa economia aberta como a portuguesa. Ainda mais assinalável o fato deste percurso ter sido feito com o apoio da esquerda parlamentar numa fórmula que, ou se transforma, ou se esgota no prazo máximo de uma legislatura. É o que parece, ...mas nem sempre o que parece é.

"Na madrugada do dia seguinte ao da posse do governo de António Costa que ocorreu em 26 de novembro de 2015 no Palácio da Ajuda. Fiz questão de estar presente, na qualidade de cidadão, porque sei o que quer dizer a palavra liberdade e também a palavra responsabilidade. Acabou um ciclo politico acerca de cuja natureza a história se encarregará. Não julgo útil, necessário e prudente, para beneficio da comunidade, contribuir para agudizar a crispação politica que, por ora, se tem circunscrito aos círculos políticos, apesar dos esforços de muitos meios de comunicação social (quase todos) para a propagar à maioria da população. Um dos mais interessantes fenómenos observáveis neste período pós eleitoral é o insucesso desses esforços. Como todos os que estavam melhor informados sabiam António Costa - até pelo que foi dito por ele próprio, e escrito nos documento oficiais do PS - nas condições de não obter uma maioria absoluta, dispunha de condições para alcançar um acordo à esquerda. Será, porventura, o único politico português no ativo capaz de obter sucesso em tal empreendimento. Neste dia em que escrevo não tenho tempo nem disposição para elaborar acerca dos motivos de tal vocação que merecem uma abordagem séria e aprofundada. Interessa-me, em especial, acompanhar as consequências do desenlace da crise politica e participar, tanto quanto seja capaz, na concretização de um programa politico que será hoje aprovado pelo Conselho de Ministros e cujo teor é conhecido por ter sido divulgado, ao contrário de uma nefasta tradição nacional, com antecedência. A respeito das politicas serão certamente assinaladas ruturas e continuidades, sinais de futuro e tonalidades diversas do presente, métodos e abordagens diversas do habitual, protagonistas novos e renovados relacionamentos de protagonistas antigos, um mundo de diferenças face às politicas do anterior governo e seus executantes. Aspiro a poder assinalar que este governo vai fazer diferente, sem arrogâncias nem autoritarismos; que julgará a herança do governo anterior de forma objetiva, justa e sem precipitações; que mudará o que houver a mudar, com o objetivo central de servir o bem comum em prol da melhoraria da vida dos cidadãos e da qualidade da democracia. Colocar no lugar cimeiro da politica a defesa da liberdade sem descurar a justiça e a igualdade."

sexta-feira, novembro 24

AS INUNDAÇÕES DE NOVEMBRO DE 1967 (II)


No dia 25 de novembro de 1967, era sábado, lembro-me de sair, era já tarde/noite, do ISCEF, pouco mais de um ano após ter iniciado os estudos naquela escola. Teria ido, certamente, participar numa reunião ou, mais prosaicamente, jantar na cantina da Associação de Estudantes. Ao sair devo ter feito o caminho de casa, um quarto alugado, ao cimo da Calçada da Estrela. (hoje, passados 50 anos, este percurso e sua envolvente, está, praticamente, igual).

Chovia muito, mas não estranhei porque, ao contrário de hoje, era normal chover nesta época do ano. Não levava qualquer resguardo para a chuva, que nem me pareceu excessiva, e caminhei colado às paredes até chegar ao destino. A minha perceção da chuva que caía naquela hora não me permitiu sequer imaginar as consequências que haveria de provocar. Chovia, simplesmente.

Na manhã do dia seguinte, domingo, devo ter feito o caminho oposto, corriam as notícias de inundações em diversos sítios de Lisboa e arredores, e devo ter-me dirigido ao Técnico para me juntar à gigantesca mobilização estudantil que se organizou para avançar para as zonas mais atingidas em socorro das vitimas e no apoio à reparação dos estragos.

O quartel general, que me lembre, havia sido montado no Técnico e deve ter sido a primeira vez que, à margem dos poderes instalados, com autonomia e mobilizando recursos próprios, se promoveu uma ação voluntária juvenil de grande envergadura à margem da politica oficial do regime. Foi um processo organizado que enquadrou a vontade espontânea de uma multidão de jovens estudantes ávidos de participação cívica e politica.

Fui numa brigada para Alhandra munidos de meios rudimentares e lembro-mo com nitidez de nos afadigarmos a limpar ruas no meio da maior destruição que se possa imaginar. Retenho na memória o ambiente de caos e de tensão pois, afinal, estávamos a participar numa ação voluntária não autorizada que, naquela época, comportava riscos pessoais. Não havia medo, mas necessidade, e vontade, de ação.

Os meios para o socorro eram escassos, mas o que contava, de verdade, era participar, prestar solidariedade, ver com os próprios olhos in loco o que, de súbito, nos surgiu como uma calamidade de enormes proporções. Uma pá na lama, os destroços, uma palavra de conforto e incentivo, uma força coletiva que enfrentava sem medo a situação dramática de populações desprotegidas e, afinal, um regime decadente acobertado na ignorância, na censura e na repressão.

No que me respeita ficou uma experiência sem dissabores. Não poderia imaginar que estávamos nas vésperas da queda de Salazar e da emergência, em 27 de setembro de 1968, do governo de Marcelo Caetano, menos de um ano depois daquelas trágicas inundações. Afinal aquela gigantesca ação voluntária havia de contribuir, de forma relevante, para o início do processo politico que desembocou no 25 de abril de 1974.
Não foi a minha primeira participação num movimento cívico, com vocação politica, (havia participado antes nas “eleições” de 1965) mas foi a ação mais impressiva e intensa que jamais esqueci e que muito contribuiu para configurar uma vontade de participação cívica e politica que nunca mais me abandonou.

AS INUNDAÇÕES DE NOVEMBRO DE 1967

Poste de 20 de novembro de 2007, que reponho hoje, lembrando a passagem de 50 anos sobre as trágicas inundações de 1967.

No contexto da descrição sucinta dos últimos dois anos de Salazar à frente do governo de Portugal, no livro “ a história da PIDE”, Irene Flunser Pimentel – Circulo de Leitores/Temas e Debates, descreve-se um acontecimento marcante sobre o qual passam, nos próximos dias, 50 anos:

“O dia 25 de Novembro de 1967 foi marcado por chuvas diluvianas, em Lisboa e arredores, que causaram centenas de mortos, não sendo divulgada na imprensa a magnitude do desastre nem o número de vítimas. Muitos estudantes de Lisboa mobilizaram-se para ajudar as populações, apercebendo-se, nesse contacto, das terríveis condições em que viviam muitos portugueses. Entretanto, tinha havido no seio do regime o caso dos ballets roses, conforme noticiou, em Dezembro, o jornal inglês Sunday Telegraph.”

Participei numa das brigadas de estudantes que acorreu em apoio às populações dos arredores de Lisboa. Coube-me, com partida do Instituto Superior Técnico, desembarcar, se não erro, em Alhandra no meio de um ambiente desolador de destruição e morte. Lembro a complexa operação logística e as pás a remover a lama que engolira ruas e casas. O regime surpreendido pelas dimensões do desastre e pela prontidão da ação politico/solidária dos estudantes não foi capaz de suster o movimento.

Foi, certamente, este um dos mais significativos atos simbólicos que assinalou o início do fim da ditadura. Pouco tempo depois, em Fevereiro de 1968, Mário Soares foi preso, deportado e sujeito a residência fixa em São Tomé e Príncipe. Em 7 de Setembro de 1968 Salazar foi operado a um hematoma, após a queda da cadeira e, “no dia 17, após convocar uma reunião do Conselho de Estado, o Presidente da República anunciou que iria nomear novo presidente do Conselho de Ministros. Dez dias depois, informou que, “atormentado entre os seus sentimentos efetivos de gratidão”, decidira exonerar Salazar e nomear Marcelo Caetano” [pág.. 184]

Confesso que tinha perdido a noção exata da cronologia destes acontecimentos e fiquei surpreendido com a proximidade entre as grandes inundações de 25/26 de Novembro de 1967 e o mês de Setembro de 1968 que marca o fim político do ditador.

segunda-feira, novembro 20

O (des)Governo da água vai continuar?


(Artigo publicado na edição de 29 de Abril de 2005 do "Semanário Económico")

A seca severa que este ano assola o nosso país deveria trazer à discussão pública as questões da água, da desertificação do território e do “desenvolvimento sustentável”. A seca condiciona, de forma decisiva, o desenvolvimento sócio-económico do país, quiçá, a sua própria sobrevivência. Não estamos a pensar no longo prazo mas a lidar com problemas contemporâneos que não podem ser ignorados, nem pelos governos, nem pelas opiniões públicas.

A sociedade não se pode conformar à ideia de que a água potável não vai acabar. Os recursos naturais renováveis são finitos se não forem bem geridos e utilizados a níveis que ultrapassem as suas taxas de renovação. Não se pense esta questão com base na verdade sacrossanta das leis do mercado: se o bem escasseia aumenta-se o preço, pois a água é um bem público, o mais público dos bens públicos, um bem absolutamente essencial à vida humana.

A realidade, nua e crua, é que o país vai secando do sul para norte, do interior para o litoral. Não é a seca deste ano. É a seca de sempre. É a desertificação do território com as suas terríveis consequências.

Para estudar estes problemas há uma disciplina nas faculdades a que se tem chamado de “ordenamento do território” na qual o “desenvolvimento sustentável” assume um papel essencial.

O “desenvolvimento sustentável” é discutido e analisado nas faculdades mas, curiosamente, os cursos, afins ao tema, têm pouca procura de estudantes. Esta é um assunto assaz interessante e muito simples de enunciar: o “desenvolvimento sustentável” pretende promover o consumo/utilização dos recursos naturais, pelas gerações actuais, de forma a que as gerações futuras ainda possam viver usufruindo deles.

Mais do que deixar às gerações futuras a possibilidade de responder às suas necessidades, cabe à geração actual tudo fazer para melhorar essa capacidade, promovendo um desenvolvimento efectivamente equilibrado, onde a promoção do capital natural, a par do económico e do social, equacionados em pé de igualdade, permitam uma efectiva melhoria da qualidade de vida da sociedade em geral e de cada indivíduo, em particular.

Trata-se de não gastar todo o “capital natural” que nos foi legado pelos nossos antepassados, na roleta de um consumo imediato e irracional, sob pena de se perder o capital humano. É simples. Mas tal como a bondade, a gestão dos recursos naturais, ou se interioriza, tornando-se uma prática corrente, ou se transforma, no primeiro caso, em caridade e no segundo, em propaganda.

O problema da água, olhado pelo lado de consumo, aconselha a que se façam umas contas.
Comecemos pela água mineral engarrafada que é quatro vezes mais cara, para o consumidor final, do que a gasolina. Passemos para a água canalizada que, nalguns concelhos (como o de Sintra), é quase tão cara como a engarrafada. Olhemos para as regas inúteis que, tendo pouco significado no consumo, incitam ao desperdício.

Olhando o problema, a mero título de exemplo, por outros ângulos:

- porquê arvorar em eixo estratégico do desenvolvimento turístico do Algarve os campos de golpe quando se sabe que são infra-estruturas altamente intensivos no consumo de água?

- como explicar o atraso no aproveitamento da Barragem do Alqueva que, segundo as últimas informações públicas, atingiu a cota de 146,25 metros, faltando seis metros para o enchimento máximo, mas à qual faltam os ramais que permitirão o abastecimento público, assim como implementar vinte mil novos hectares de regadio?

- como explicar o atraso absoluto na implantação de sistemas de reutilização da água de consumo doméstico?

- qual a razão das perdas aterradoras, entre 35 e 50 por cento, nos sistemas de abastecimento públicos de distribuição da água.

Para que se tenha uma ideia da inépcia dos governos anteriores na abordagem desta questão, essencial para a própria sobrevivência da comunidade nacional, atente-se na ausência de discussão pública acerca da “proposta de lei quadro da água”, cujo prazo de consulta terminou no passado dia 15 de Março.

A propósito da lei quadro da água que transpõe para o direito interno a Directiva Quadro da Água (DQA), revogando um conjunto de decretos-lei neste domínio, diversas organizações, como a Liga para a Protecção da Natureza (LPN), já mostraram, "profunda insatisfação" pela forma como o processo de discussão pública foi conduzido.

A definição de uma estratégia para água é, no essencial, uma função do governo mas não descarta o papel dos cidadãos pela utilização dos recursos.

Se o governo socialista for capaz de, ao mesmo tempo, elaborar uma estratégia para a água (e para a seca), implementar as medidas consequentes à sua concretização e encetar uma campanha consequente para mudar a atitude dos cidadãos face a esse bem público, escasso e precioso, já basta para ficar na história.

Ora acontece que o governo socialista integra no seu elenco, a começar pelo primeiro ministro, diversos reputados especialistas nas questões do ordenamento do território, ambiente e desenvolvimento sustentável. Este é um bom indício mas poderá, por reverso, a prazo, trazer no seu ventre a maior desilusão. O alerta aqui fica.

domingo, novembro 12

Temas (quase) atuais

Quase a meio de novembro a temperatura do ar baixa, mas teima em não chover. Quer-me parecer que o flagelo da seca veio para ficar por muitos e bons anos. Todas as previsões mais antigas estão a concretizar-se no que respeita à desertificação do território de Portugal continental. Os fenómenos associados às mudanças climáticas começam a ser, finalmente, referenciados pela opinião pública. É necessário com urgência que se tornem em tema central das politicas públicas. As questões da demografia e das mudanças climáticas são hoje temas centrais que carecem ser encarados de frente. Mas, de verdade, não o têm sido. Como fazer?

terça-feira, novembro 7

MES

7 de novembro de 1981- Jantar de extinção do MES (Movimento de Esquerda Socialista).

É notável como, invariavelmente, os rostos ostentam um sorriso de serena felicidade e alegria. O encerramento de uma experiência fascinante poderia ser celebrado com melancolia ou crispação mas, no caso do jantar de extinção do MES, aconteceu o contrário.

Muitos anos passados, cada um de nós, ainda se revê, com prazer, nas imagens daquele momento simbólico de renúncia à continuidade de um projecto político. Porque nos libertamos? Porque fomos capazes de assumir o fracasso? Porque sabíamos que éramos, individualmente, capazes de prosseguir novos caminhos e abraçar novos desafios? Porque, afinal, nos reconciliávamos connosco próprios, reconstruindo os nossos sonhos utópicos?

Como disse Camus: “Ir até ao fim, não é apenas resistir mas também não resistir.”

(Fotografia de grupo de António Pais e cartaz de Robin Fior.)

sábado, outubro 28

Pelo aniversário do meu filho Manuel

Pelo 27º aniversário do meu filho Manuel (27/10/1990). O texto abaixo foi escrito, onze anos atrás, a pedido dele, para integrar o “portfolio” da disciplina de português do 10º ano. Publico-o como celebração do seu aniversário e em homenagem à sua mãe que só aparentemente dele está ausente. A professora, por sua vez, com razão, estranhou a ausência de parágrafos. Mas o texto, de facto, é mesmo assim. Uma espécie de mancha compacta povoada de palavras que exprimem uma imagem absolutamente subjectiva de alguém a quem queremos mais do que tudo.

O meu filho pediu-me para escrever um texto acerca dele próprio. Este é o texto mais difícil de escrever. Quando tinha a idade que ele tem agora as minhas dificuldades nos estudos eram mais acentuadas. A descoberta do corpo, nos alvores da adolescência, é fonte de prazeres e de medos. Julgo que sofri mais nessa fase da vida. Subjectividades. Nunca seria capaz de pedir aos meus pais que escrevessem um texto acerca de mim. Não que não fossem capazes apesar do nível de escolaridade que alcançaram ser mais baixo do que aquele que me deixaram de herança. Mas porque o olhar do meu filho acerca do papel dos pais mudou. Assim como mudou o seu olhar acerca do papel do professor e da escola. Ele tem, ao contrário dos pais na sua idade, mais capacidade de crítica e mais autonomia para expressar as suas opiniões. Gosta de participar e excede-se, porventura, na sua vontade de partilhar o espaço comum. Desde criança que exercita a sua curiosidade ouvindo todas as notícias. Mas, ao contrário das aparências, é tímido. Uma herança familiar. Receia enfrentar o desconhecido mas gosta de ouvir as discussões que transcendem a sua capacidade de entendimento. Gosta de discutir os temas da política e, em regra, é capaz de formular sínteses coerentes e equilibradas. Precisa de participar em actividades colectivas. Não sendo o teatro, ou a música, que seja o “parlamento”. Exercitará a capacidade de argumentação, a arte da palavra e as vantagens da síntese. Tem aprendido, progressivamente, a gerir a autonomia que lhe é oferecida e a organizar os seus tempos. Amadureceu a consciência de que precisa de trabalhar mais tempo e de forma mais organizada. É gentil. Vive no seio de uma família estruturada, uma tradição familiar que enraíza nas gerações passadas. É seguro. Desde criança que se enfurece quando lhe escapa das mãos qualquer objecto. Aprendeu a ouvir música para a qual sempre manifestou uma especial predilecção. É apreciador da natureza e da sua preservação, em particular, dos animais. Em criança aprendeu a pescar e a arranjar o peixe de que conhece todas as espécies. Aprecia os amigos, honra a intimidade e guarda os segredos. Entusiasma-se e distrai-se. Amadurece devagar. Sonha.

sábado, outubro 21

Tempos cinzentos - novos tempos

A faceta politica do pós 15 de outubro. Algumas notas acerca de acontecimento que estão em marcha. O sistema - chamemos-lhe assim para facilitar - está desconfortável com o modelo, e natureza, do governo em funções. Tal desconforto mais se acentuou ao longo dos dois últimos anos com os resultados positivos da economia que se podem sintetizar pela trilogia: mais crescimento- menos deficit- mais emprego. Acrescem os generalizados elogios de todas as entidades internacionais com responsabilidade no resgate de 2011.A imagem de Portugal mudou para positivo através da contribuição de muitos fatores que não cabe aqui descrever.
A crise politica, pelo contrário, instalou-se, sem desprimor pelo respetivo eleitorado e muitos dirigentes, no espetro politico partidário da direita. O jogo politico como que inverteu as lógicas arreigadas pela tradição politica portuguesa. A esquerda alcançou sucesso na consolidação orçamental, criando emprego e repondo rendimentos do trabalho, e a direita recuou para a defensiva a tal ponto que a levou a uma mudança de liderança no PSD, a uma ofensiva politica sem base social de apoio pelo CDS/PP e a um reposicionamento do PR reforçando o seu protorganismo, nos limites dos poderes presidenciais que lhe são atribuídos pela Constituição.
O movimento que está em curso destina-se a testar a capacidade da aliança de esquerda (a designada gerigonça)de manter os acordos que viabilizaram o governo socialista antecipando a disputa eleitoral de 2019 ou, quiçá, antecipando essa mesma disputa a partir do momento em que o PSD resolva a questão da liderança. Entretanto emerge o seu afã em derrubar o governo. O sistema não suporta o 1º ministro, ainda menos o ministro das finanças, ainda muito menos os apoios do PCP e do BE. Tudo no seu conjunto contribui para que este governo não seja sensível - esteja mesmo blindado - a determinados negócios sem os quais o sistema não respira e pode mesmo não sobreviver apesar da sua inesgotável capacidade de se renovar.
Como poderá a esquerda responder sem cedências aos acontecimentos negativos que estimulam o populismo (incêndios, encenações como a do roubo de armas em Tancos e outros que podem seguir-se), prestigiando-se perante os seus parceiros internacionais e respondendo de forma positiva às aspirações do maior número dos cidadãos portugueses. Esta solução politica terá que se transfigurar nos próximos tempos. Será possível aquele golpe de asa que, de quando em vez, a politica carece para manter o seu fascínio e mais do que isso defender a liberdade e a democracia dos seus inimigos que se encobrem nas brumas do sistema .

DIAS CINZENTOS

Quando escrevi o último post acerca dos incêndios no passado fim de semana não conhecia ainda a extensão da devastação. Não se pode verbalizar em meia dúzia de linhas os sentimentos que sinto tal como a comunidade sente. Mas quero deixar duas ou três palavras acerca das consequências. O governo pode ter subavaliado os sinais que preanunciavam em outubro condições propicias ao deflagrar de novos incêndios. As métricas adotadas, por tradição, para definir a alocação dos meios de combate aos incêndios (e outros acontecimentos que ponham em causa a segurança do país e das comunidades) estão obsoletas pois, na verdade, atendendo às ameaças do nosso tempo, o alerta deverá ser elevado em todos os meses do ano. Espero que o governo não enverede por uma politica de profissionalização pura e dura dos corpos de bombeiros descartando o voluntariado. Será necessário encontrar os equilíbrios necessários e não cometer os mesmos erros do passado quando, quanto a mim mal, foi suprimido o serviço militar obrigatório não tendo sido criado sequer um serviço cívico voluntário ao contrário de muitos países da UE. Não cair na tentação de antagonizar a atuação do PR mesmo quando de forma direta, aberta e publica, critica o governo. Até mais ver o PR mantém, no essencial, uma postura ativa de magistratura de influência e de proximidade com os portugueses e as comunidades (um estilo novo face à habitual postura de anteriores presidentes)o que, a meu ver, é uma vantagem para todos mesmo que, por vezes, possa ser desconfortável para os decisores políticos que atuam sob fortes e diversas pressões. E por fim por razões que se prendem com o meu mester atual é necessário que o estado, a todos níveis, valorize a economia social, ou seja, as mais de 60 000 entidades que cumprindo as mais diversas tarefas e funções, da atividade económica à ação social, estão mais próximas (tal como as autarquias) das comunidades e dos cidadãos. Estes dias cinzentos passarão mas a reconstrução não pode correr o risco de reproduzir os erros do passado.

domingo, outubro 15

INCÊNDIOS

Quando se lançam chispas sobre o governo com base no relatório da Comissão Independente acerca do incêndio de Pedrógão, e suas trágicas consequências, emerge o pior dia do ano em nº de incêndios, hoje, 15 de outubro. Quatro meses passados sobre Pedrógão nova vaga de incêndios, certamente, com origens semelhantes. O mesmo fenómeno está, ao mesmo tempo, a acontecer na Galiza igualmente com mortos. Parece ser uma péssima ideia politizar a questão dos incêndios sob pena de nunca mais ser possível atacar as suas verdadeiras causas.
Fotografia de Hélder Gonçalves

segunda-feira, outubro 9

CATALUNHA

Catalunha/Sem incursões analíticas, para as quais não estou especialmente habilitado, sinto no ar a ameaça dos excessos nacionalistas. De um e outro lado faz-se ouvir o tilintar das espadas, sob a forma de ameaças não veladas, perante uma Europa pejada de nacionalismos silentes. A Espanha, na sua configuração atual, é a 3ª ou 4ª potência económica da UE. Pouco interessa ao caso quando a questão é politica. E de politica a Europa é manejada, na sua maioria, por inaptos, vazios de alma e de rasgo. Pela concórdia e a paz, sempre!

domingo, outubro 8

Os últimos revolucionários

Neste vil mundo que nos coube em sorte
por culpa dos avós e de nós mesmos
tão ocupados em desculpas de salvá-lo,
há uma diferença de revoluções.
Alguns sofrem do estômago, escrevem versos,
outros reúnem-se à semana discutindo
o evangelho da semana; outros agitam-se
na paz da consciência que adquirem
como agitar-se em benefícios e protestos;
outros param com as costas na cadeia
para que haja protestos. Há também
revoluções, umas a sério, que se acabam
em compromissos, e outras a fingir,
que não acabam nem começam. Mas são raros
os que não morrem de úlcera ou de pancada a mais,
e contra quem agências e computadores
se mobilizam de sabê-los numa selva
tentando que os campónios se revoltem.
Mas os campónios não revoltam. E eles
são caçados, fusilados, retratados
em forma de cadáver semi-nu,
a quem cortam depois cabeça, mãos,
ou dedos só (numa ânsia de castrá-los
mesmo depois de mortos), e o comércio
transforma-os logo num cartaz romântico
para quarto de jovens que ainda sonhem
com rebeldias antes de empregarem-se
no assassinar pontual da sua humanidade
e da dos outros, dia a dia, ao mês,
com seguro social e descontando
para a reforma na velhice idiota.
Ó mundo pulha e pilha que de mortos vive!

24/11/1971

Jorge de Sena, In “Poesia III” – “Exorcismos” – selecção de poemas resultante da leitura de Julho de 2007 em Cuba.

(A propósito do 50º aniversário do assassinato de Che Guavera. Jorge de Sena escreveu ainda, pouco antes de morrer, uma nota publicada na última edição de Poesia III: “Este poema, escrito nos fins de 1971, como vai indicado, havia sido solicitado contributo meu para uma plaquete de homenagem a Che Guevara, que se não estou em erro, a polícia então suprimiu e que Egito Gonçalves organizara. Como outros igualmente violentos, “passou” nestes Exorcismos de que, a mais de que um título, é parte." )

“Che Guevara” – Alberto Korda, Março/1960

CONJUNTURAS

Quase todas as manchetes e aberturas de telejornal estão a ser preenchidas pela Catalunha. Já não os incêndios que voltaram em força, nem sequer a sucessão de Passos Coelho na liderança do PSD. Assim parece-me razoável. Mas esperem pelos próximos desenvolvimentos do processo Sócrates para ser-mos soterrados - quantos meses? - por uma única notícia quase sem variantes... Curiosamente em simultâneo com um período de vazio na liderança a que se seguirá a iniciação de uma nova, no PSD... Aguentemo-nos no balanço!

quinta-feira, outubro 5

5 de outubro de 1910


Às 8,30 da manhã passava pela Rua do Ouro, em triunfo, a artilharia, que era delirantemente ovacionada pelo povo.

As ruas acham-se repletas de gente, que se abraça. O júbilo é indescritível!

A essa hora, no Castelo de S. Jorge, que tinha a bandeira azul e branca, foi içada a bandeira republicana.

O povo dirigiu-se para a Câmara Municipal, dando muitos vivas à REPÚBLICA, içando também a bandeira republicana.

(…)

Vê-se muita gente no castelo de S. Jorge acenando com lenços para o povo que anda na baixa. Os membros do directório foram às 8,40 para a Câmara Municipal, onde proclamaram a República com as aclamações entusiásticas do povo.

O governo provisório consta será assim constituído: presidente, Teófilo Braga; interior, António José de Almeida; guerra, Coronel Barreto; marinha, Azevedo Gomes; obras públicas, António Luís Gomes, fazenda, Basílio Telles; justiça, Afonso Costa; estrangeiros, Bernardino Machado.

Governador Civil, Eusébio Leão.

Em quase todos os edifícios públicos estão tremulando bandeiras republicanas. A polícia faz causa comum com o povo, que percorre as ruas conduzindo bandeiras e dando vivas à República.

(Transcrito de O Século, quarta feira, 5 de Outubro de 1910, publicação de última hora.)

Raúl Brandão, in Memórias “O meu diário” – Volume II

Perspectivas & Realidades

segunda-feira, outubro 2

DEPOIS DE ELEIÇÕES

Os resultados das eleições têm a enorme virtualidade de confirmar a evolução da vontade do maior número. Com os estudos de opinião, as sondagens, antecipa-se o sentido dessa vontade. Os resultados das autárquicas realizadas ontem não foram surpreendentes, confirmaram uma tendência. As surpresas podem surgir nos momentos seguintes resultantes das decisões dos diretórios políticos face aos resultados. Se todos os diretórios decidirem com racionalidade as surpresas deverão ser de pouca monta. O povo falou nas urnas, aguardemos, serenamente, o resultado dos debates e reflexões dos diretórios.
Fotografia de Hélder Gonçalves

domingo, outubro 1

LIBERDADE

“Revolta

Finalmente, escolho a liberdade. Pois que, mesmo se a justiça não for realizada, a liberdade preserva o poder de protesto contra a injustiça e salva a comunidade.

A justiça num mundo silencioso, a justiça dos mundos destrói a cumplicidade, nega a revolta e devolve o consentimento, mas desta vez sob a mais baixa das formas. É aqui que se vê o primado que o valor da liberdade pouco a pouco recebe. Mas o difícil é nunca perder de vista que ele deve exigir ao mesmo tempo a justiça, como foi dito.

Dito isto, há também uma justiça, ainda que muito diferente, fundando o único valor constante na história dos homens que só morreram bem, quando o fizeram pela liberdade.

A liberdade é poder defender o que não penso, mesmo num regime ou num mundo que aprovo. É poder dar razão ao adversário."

Albert Camus, in Cadernos

quinta-feira, setembro 28

ELEIÇÕES - VOTAR

As eleições autárquicas terão seu desfecho daqui a pouco mais de 48 horas. Todas as eleições são importantes e tão mais importantes quanto mais aproximam o eleitor do eleito. Nas autárquicas os candidatos são muitos, mais do que em qualquer outra eleição; os eleitores são, no essencial, os mesmos. As comparações sérias dos resultados destas autárquicas serão feitas com os resultados das eleições autárquicas anteriores. As sondagens, como se costuma dizer, valem o que valem. As vitórias e as derrotas são resultados mais que certos e tocam a todos. Mas o que mais interessa nestes dias que antecedem o voto é combater a abstenção. Sempre votei em todas as eleições e também nestas votarei em fidelidade aos meus ideais socialistas de sempre. Mas o voto, em liberdade e democracia, só faz sentido, para mim, no respeito sagrado pelo sentido do voto de todos e de cada um.

segunda-feira, setembro 25

ALEMANHA

A democracia na Alemanha será preservada após as eleições de ontem. A maioria doa alemães não esqueceu a tragédia provocada pelos nazi fascistas que os conduziu ao holocausto. Apesar de todas as vicissitudes da vida dos povos europeus creio que não será nunca mais possível escrever o que Camus escreveu am 1944:

«[…] Acontece-me, por vezes, ao voltar de uma dessas curtas tréguas que nos deixa a luta comum, pensar em todos os recantos da Europa que conheço bem. É uma terra magnífica, feita de sacrifícios e de história. Revejo as peregrinações que fiz com todos os homens do Ocidente. As rosas nos claustros de Florença, as tulipas douradas de Cracóvia, o Hradschin com os seus paços mortos, as estátuas contorcidas da ponte Karl sobre Ultava, os delicados jardins de Salzburgo. Todas essas flores, essas pedras, essas colinas e essas paisagens onde o tempo dos homens e o tempo da natureza confundiram velhas árvores e monumentos! A minha memória fundiu essas imagens sobrepostas para delas formar um rosto único: o da minha pátria maior. Algo me oprime quando penso, então, que sobre esse rosto enérgico e atormentado paira, desde alguns anos, a vossa sombra. E no entanto, há alguns desses lugares que você visitou comigo. Eu não imaginava, nessa altura, que fosse um dia necessário defendê-los contra os vossos. E agora ainda, em certos momentos de raiva e desespero, lamento que as rosas possam ainda crescer no claustro de São Marcos, os pombos lançar-se em bandos da catedral de Salzburgo e os gerânios vermelhos germinarem incessantemente nos pequenos cemitérios da Silésia.

Mas, noutros momentos, e são esses os verdadeiros, sinto-me feliz que assim seja. Porque todas as paisagens, todas as flores e todos os trabalhos, a mais antiga das terras, vos demonstram, em cada Primavera, que há coisas que não podereis abafar no sangue. […] Sei assim que tudo na Europa, a paisagem e a alma, vos rejeitam serenamente, sem ódios desordenados, mas com a força calma das vitórias. As armas de que dispõe o espírito europeu contra as vossas são as mesmas que nesta terra sempre renascente fazem crescer as searas e as corolas. O combate em que nos empenhamos possui a certeza da vitória, porque é teimoso como a Primavera. […] » - pp. 68-71

Albert Camus, in Cartas a um Amigo Alemão, Carta Terceira (Abril de 1944)

sábado, setembro 23

AUTÁRQUICAS - A UMA SEMANA DO DIA DO VOTO

A uma semana do dia da votação para as eleições autárquicas de 2017. Saem sondagens deste e daquele concelho, os mais importantes do ponto de vista demográfico e politico. As sondagens conhecidas nos maiores, como Lisboa, Sintra, Porto, Loures, ... parecem indiciar vitórias dos partidos da esquerda prenunciando, salvo qualquer surpresa, uma derrota severa do PSD. Mas neste tipo de eleição mais se aplica aquela célebra frase: "prognósticos, só no fim do jogo."
Costa, por sua vez, explica que a meio do mandato do governo um bom resultado do PS é crucial para o que falta da legislatura. É mesmo o mais importante na leitura politica que as eleições vão suscitar. Se o PS alcançar o seu objetivo de ganhar mais presidências de Câmaras e Freguesias a gestão da maioria politica que apoia o governo ficará mais confortável desde que o PCP não saia derrotado.
Estas eleições são certamente as mais participadas de todas, aquelas que envolvem um maior número de candidatos, o terreno para o maior número de estreias na ação politica de cidadãos que sempre estiveram arredados delas. Isso é um bom sinal para a democracia seja qual for o resultado final. O meu voto é daqueles que não trás consigo qualquer surpresa. Salvo qualquer situação anormal, que não é o caso, voto sempre no PS. O fio de prumo, o garante do equilíbrio do sistema democrático português e da preservação do estado social.

sábado, setembro 16

DESVIOS

Nas nossas sociedades, e a portuguesa não é exceção, o fenómeno mais preocupante é o da emergência, ameaçando tomar expressão politica institucional, do ideário fascista, sob diversas capas, albergado em partidos que nasceram, e cresceram, com o advento da democracia liberal. No caso português não deixa de ser perturbante - as coisas são como são - que a liderança do PSD apoie um candidato a uma autarquia que integra no seu programa de ação posições racistas e xenófobas. Tomo-o na minha boa fé como um epifenómeno, mas nunca fiando, na espera que os sociais democratas autênticos, que os há muitos e bons no PSD, ponham cobro ao desaforo.

ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS - 1 OUTUBRO

Mais uma pincelada acerca das eleições autárquicas que se avizinham. Dia 1 de outubro. Será um domingo como é da tradição portuguesa, mas poderiam realizar-se num dia de semana como acontece noutros países. Para mim seria indiferente pois sempre votei em todas as eleições em democracia (e mesmo nalgumas farsas eleitorais em ditadura). Gosto de votar, não só por dever mas por prazer. (Talvez fosse um dia destes, no entanto, de fazer uma revisão profunda à lei eleitoral no âmbito da modernização administrativa, para tornar o voto mais presto e atraente - vamos a isso senhor Governo e/ou Senhoras e senhores deputados?). Mesmo que rebentem as mais desvairadas borbulhas caluniosas, ou floresçam alguns populismos protofascistas, a opinião e o debate são livres em Portugal, o que alguns não valorizam o suficiente. A falta da liberdade não é uma experiência que se recomende, nem é de ter comiseração pela falta de memória de suas nefastas consequências. O meu pai, nascido em 1910, só conheceu, na idade adulta, a cor da liberdade com 63 anos de idade...é algo inexplicável mas que aconteceu mesmo!
E quanto ao próximo voto aqui fica a minha declaração de interesses: em conformidade com o meu ideário, vou votar, em Lisboa, no PS. (Outra nunca poderia ser a minha opção pois, desta vez, até pertenço à comissão de honra cujo convite aceitei com muito gosto.)

quinta-feira, setembro 7

AUTÁRQUICAS

Umas pinceladas acerca das eleições autárquicas, se não me engano foi o Pacheco Pereira que escreveu no Efémera, ou num artigo, que estas eram as eleições autárquicas com o maior número de candidatos de sempre. É um sinal de vitalidade da nossa democracia; mas o que queria dizer é do meu apreço, em geral, pelos candidatos, vão em listas partidárias, ou independentes (falsos ou verdadeiros independentes, pois nunca se sabe!), que encaram todos os dias os cidadãos e a imensa multidão de problemas que eles exigem sejam resolvidos. Não me preocupa uma borbulha que rebente na face da democracia, o que me preocupa é a limpeza ostentada na mascara dos populismos.

domingo, setembro 3

COREIA DO NORTE

Hoje, pela manhã, a Coreia do Norte realizou um teste nuclear de primeiro grau. Um pequeno país, pobre, dotado de um regime politico autocrático, ameaça o domínio das grandes potências. Um enigma, ou talvez não. Uma tese para explicar o fenómeno, aparentemente demasiadamente linear, é a de que a Coreia do Norte será uma marionete da China. Os seus avanços tecnológicos na área militar, em particular, na produção da bomba atómica e de misseis balísticos de grande alcance carecem de quem lhe forneça o "saber fazer" e a matéria prima. Além disso carecem de uma proteção politica a todos os níveis que somente a vizinha China pode propiciar. A Coreia do Norte estaria a ameaçar os Estados Unidos, e seus aliados na região, em resposta às ameaças explicitas da nova administração dos USA. É conhecida a relação desigual, em diversos planos, USA/China. A disputa é estratégica na justa medida em que estão em confronto as duas maiores potências mundiais e, ao que parece, no plano militar, a China fez nos últimos anos avanços que deixaram os USA para trás. Uma coisa é certa e vem com o certificado de garantia de uma história antiga: a China nunca foi derrotada no plano militar por razões demográficas e territoriais, de cultura e sageza, a que junta a sua infinita paciência. Os portugueses no século XV, um pequeno país pobre, ameaçou o domínio da China nos mares e territórios nos quais a China já antes navegava, mas eram outros os tempos, embora Portugal tenha tido sucesso não só à custa da sua ousadia fundada no conhecimento, mas também no avanço tecnológico das suas armas nos combates pelo domínio das rotas marítimas. A China, no plano estratégico, em que o tempo conta mais que do que o espaço, acabará sempre por vencer.

sexta-feira, agosto 25

ANGOLA

Eleições em Angola com resultado pré anunciado. Os crédulos acreditam que algo vai mudar. Creio que nada, de essencial, mudará. De qualquer forma a realização de eleições é um sinal favorável para a emergência do modelo democrático. Os portugueses precisam ter esperança no futuro de Angola.

segunda-feira, agosto 21

O anúncio do calor

Calor abrasador. Quando sinto este bafo quente na rua, em lisboa, sei que ardem os campos de arvoredo por esse país fora. Além do desastre da destruição da natureza, seja qual for a sua estrutura física, os incêndios florestais põem a nu a pobreza que a longura dos campos, por vezes tão perto das cidades, em vão dá a ilusão de esconder. O desastre situa-se de ambos os lados da barricada, tal como nas guerras, pois um incêndio, afinal, não é mais do que uma batalha perdida de que sobram os escombros que o tempo removerá. Que me lembre nunca vi um incêndio florestal a não ser ao longe como no outro dia pelos lados de Canal Caveira visto da autoestrada do sul. Nem todos podemos ter acesso direto ao inferno na terra, nem sequer a encarar o diabo feito labareda vociferante. Como já tem sido dito, e escrito, por quem sabe o país paga, com regular falta de parcimónia, o preço pelo desprezo a que vota o tempo e pela gula endeusada do sucesso (lucro) imediato. Haja saúde!

quinta-feira, agosto 17

Verão Quente

Verão quente! Onde já ouvi esta frase? O mundo mediterrânico arde como se fosse uma terra maldita, em desertificação, abandonada pelo seu povo, ressequida, em boa parte a caminho de ser deserto. Incluindo o sul de Portugal. Alguns falam em terrorismo. Não creio. As mortes dramatizam. Mas os incêndios são recorrentes nestas regiões. Desde que escrevo nas redes sociais com regularidade, pelos finais de 2003, já escrevi inúmeras vezes acerca de incêndios florestais. Não conheço o suficiente do assunto para pronunciamentos de saber feito. Creio somente, por intuição, que a raiz da irrupção dos incêndios está na conjugação da seca com a desertificação humana. Como combater o fenómeno? Invertendo o ciclo da seca e da desertificação. Ocupar humanamente o território e irrigá-lo. Tudo são ideias que levam a politicas consideradas impossíveis ou mesmo utópicas. Esta arreigada descrença em mudanças profundas, assumidas coletivamente, assentes em politicas que valorizem modelos de organização coletiva (não coletivistas), é o travão a qualquer verdadeira mudança. Verão quente! Numa das suas primeiras obras, de juventude, Camus escreveu no capítulo “As amendoeiras”, de Núpcias, o Verão: (…) A primeira coisa é não desesperar. Não prestemos ouvidos demasiadamente àqueles que gritam, anunciando o fim do mundo. As civilizações não morrem assim tão facilmente; e mesmo que o mundo estivesse a ponto de vir abaixo, isso só ocorreria depois de ruírem outros. É bem verdade que vivemos numa época trágica. Contudo, muita gente, confunde o trágico com o desespero. “O trágico”, dizia Lawrence, “deveria ser uma espécie de grande pontapé dado na infelicidade”

terça-feira, agosto 8

Férias...

De regresso de umas curtas férias na terra, no meu caso no Algarve, quase retemperado de longos meses de trabalho extenuantes e pejados de dificuldades. Nas organizações são as pessoas o mais importante ativo mesmo que se anuncie, reiteradamente, o discurso do fim trabalho feito diretamente pelo homem. O tempo não tem parança. Nem a energia é inesgotável. As convicções autenticas não morrem. A vontade de participar não esmorece. O verão continua, as férias serão repartidas, imprevisíveis, tal como a vida em sociedade. Continuar a trabalhar, alongar o tempo todo o tempo.

sábado, julho 22

NOVO TEMPO

A politica em Portugal sofreu uma mudança de qualidade com a entrada em cena da fórmula politica pós eleições legislativas de 4 de outubro de 2015. Quanto mais tempo ela durar, ao que tudo indica poderá durar a legislatura completa, mais se acentuará a deriva populista com expressão partidária - à falta de um partido de extrema direita - nos partidos mais à direita do espetro politico tradicional. Estamos a assistir, no nosso país, a um fenómeno novo que consiste na emergência de um discurso populista, explorando temas, desde há muito assumidos por partidos da extrema direita europeia, mas que em Portugal parece encontrarem acolhimento em partidos do sistema. Poderá tratar-se de um fenómeno pontual ou, provavelmente, o inicio do processo de criação de uma formação politica assumidamente de extrema direita. Não creio que o PSD possa vir a transformar-se nessa formação quer pela sua história, quer pela natureza da sua base social, quer pelo seu enquadramento internacional. Mas no presente contexto algo terá que acontecer no sentido do reajustamento partidário. Estamos no inicio de um novo tempo politico.

quarta-feira, julho 19

ALBERTO MARTINS

A luta politica é uma expressão do debate de ideias em torno de interesses materiais conflituantes, ou opostos, de conceções doutrinárias, ou filosóficas, divergentes no que respeita à organização da sociedade ou à própria vivência individual. Em democracia o debate, e combate politico, é realizado de forma pacifica, ou seja, pelo confronto de ideias sendo as decisões tomadas através do voto.
Hoje o Alberto Martins, exercendo o mandato de deputado eleito pelo PS, anunciou no Parlamento, para minha surpresa, o abandono da vida politica ativa.
Dei por mim a pensar que a democracia representativa em Portugal atingiu, com todos os seus defeitos, a idade madura. Pois foi possível que um ativista da luta contra a ditadura (que ganhou reconhecimento, e notoriedade, por ter, publicamente, desafiado a autoridade do "mais alto magistrado da nação", na crise académica de Coimbra, em 1969) tenha encerrado um ciclo completo de intervenção politica, desde os anos 60 do século passado, através de sucessivas conquistas, num ambiente de normalidade institucional, em plena liberdade.
Acrescento para os menos bem informados, que são quase todos os fazedores de opinião, jornalistas profissionais, ou outros, como hoje ficou demonstrado, que Alberto Martins não foi sempre militante do PS.
Após o 25 de abril de 1974, durante largos anos,(não sei precisar até quando)foi destacado militante, e dirigente do MES (Movimento de Esquerda Socialista),tendo, posteriormente, aderido ao PS, por opção própria, tal muitos outros entre os quais me incluo.
Para o Alberto Martins os meus desejos de felicidades pessoais, com um abraço fraternal.

domingo, julho 9

SMO

Republico um post de 29 de setembro de 2004. Acerca de um tema pouco popular - o Serviço Militar Obrigatório - que ganhou atualidade pelas piores razões, que sempre defendi ou, em alternativa, o serviço civico obrigatório. Qualquer dos modelos, em diversas modalidades, existe em países da UE desde há muito ou está a ser retomado.

Serviço Militar Obrigatório

O Dr. Portas surge, ufano, a proclamar o fim do Serviço Militar Obrigatório (SMO). O acontecimento aparece aos olhos da grande maioria como uma grande conquista civilizacional. Em particular aos olhos da juventude. As juventudes partidárias rejubilam.

O Dr. Portas ostenta um orgulho que estaria nas antípodas das suas próprias convicções caso fosse um verdadeiro patriota. No momento em que se consagra o fim do SMO quero afirmar que sempre fui a favor da conscrição, ou seja, do “alistamento militar”.

Acho que o fim do SMO é uma cobardia moral e um sinal de resignação patriótica.

A partir de agora o país ficará a dispor de forças militares profissionais. A maioria dos jovens nunca terá acesso à experiência militar. Nunca saberá manejar uma arma. Nunca terá a noção real do que é a defesa nacional. O país perderá um dos últimos redutos onde se exercitava o sentimento de pertença à comunidade nacional.

Ficam os ex-combatentes para o exercício da demagogia patrioteira. Ficam as compras de armamento para o aumento da despesa pública. Ficam os edifícios e os terrenos militares devolutos para combater o deficit.

O patriotismo virou negócio por grosso e a retalho. E negócio chorudo!

sexta-feira, julho 7

CATIVAÇÕES

Escrevo após um intervalo demasiadamente grande para meu gosto que se deve a sobrecarga de trabalho profissional. Nem os acontecimentos que têm feito as notícias nas últimas duas semanas, nem qualquer menos interesse em preencher este espaço que persiste, a duas mãos (as minhas)desde 2003.
O que me apetece escrever tem a ver com a politica que me envolve, fascina ou revolta, conforme os estados de espirito e a disponibilidade de cada momento. Para dizer que os mesmos que reclamavam por cortes na despesa pública (atacar as chamadas "gorduras do estado") não têm autoridade para atacar o governo em funções por ter adotado uma orientação na gestão orçamental que vai nesse sentido - mas por outro caminho diverso do que foi seguido no tempo da troika.
Como muitos economistas já explicaram as cativações não são cortes, são um espécie de suspensão de parte da despesa que, em qualquer momento, pode vir a ser executada permitindo medir, ao longo do tempo, os seus efeitos no deficit. Somente resta um debate técnico acerca da qualidade da execução que quase nunca se faz. Mas isso é um debate sério pelo qual a politica não se interessa.

domingo, junho 25

INCÊNDIOS/


Uma semana passada sobre o fatídico incêndio de Pedrógão sucedem-se as ondas de choque. Faltam apurar, da forma mais rigorosa possível, as causas e as falhas. Tratar-se-á de um desastre natural? É o mais certo. Que tenham confluído no tempo e no espaço todas as condições adversas incluindo falhas no sistema de prevenção? É possível. Que vão resultar consequências a todos os níveis? É inevitável. O mais importante é não perder tempo a tomar medidas para evitar, da forma mais certeira possível, próximas catástrofes. Que podem resultar das mais diversas origens e assumir as mais diversas formas. As pessoas em primeiro lugar, desde os responsáveis aos cidadãos comuns. E nas eleições autárquicas, cuja campanha já está em marcha, que se faça o escrutínio dos programas e respetivas ações concretas na prevenção de catástrofes. Será que alguém vai reparar nesse pormenor?
(Está neste momento a ocorrer um incêndio calamitoso no sul de Espanha - Huelva. A ver se o jornal El Mundo encomenda artigo ou reportagem ao seu jornalista anónimo especialista na matéria!)

sábado, junho 17

CALOR/INCÊNDIOS

Verdadeiramente notável, por estes dias, deste apagado mês de junho é o calor dando inicio, inevitavelmente, à época dos incêndios. E logo virão as mesmas imagens, queixas, e tudo o mais próprio desse terrível flagelo. Estejamos preparados. Ao fim de tantos anos uns habituam-se, outros lucram e todos nos cansamos.
(Escrito antes de ter conhecimento da tragédia que resultou do incêndio de Pedrógão.)

sábado, junho 10

10 de junho

10 de junho, uma data simbólica. Como são importantes os símbolo! O atual PR, Marcelo Rebelo de Sousa, entende essa importância, tal como os atuais titulares dos mais altos cargos (PM, António Costa e o PAR, Eduardo Ferro Rodrigues) por razões que têm a ver com a cultura e o percurso pessoal, e politico, da cada um. Seria interessante fazer uma digressão pelos respetivos percursos para se entender melhor as suas opções em cada momento, face a cada situação e problema concreto. A saída das fronteiras físicas de Portugal para a celebração do Dia de Portugal corresponde ao reconhecimento da realidade de um país e do seu povo que desde há séculos emigra tendo constituído uma diáspora com significado a todos os títulos. Não somos caso único, bastando para tal conhecer a dimensão, por exemplo, das comunidades estrangeiras no Brasil (alemães, italianos, japoneses ... e a sua dimensão) mas, no caso do Brasil, Portugal, bem ou mal querido, é mais do que um país de destino de emigrantes portugueses.

domingo, junho 4

Atentados

Atentados em Londres. Terrorismo. Um fenómeno antigo. Todos os dias ocorrem atentados em lugares menos mediáticos, uma guerra económica, religiosa e politica geral, na qual ninguém se pode eximir a responsabilidades, quer a ocidente, quer a oriente. O dado novo neste puzzle é a eleição do novo presidente dos USA que introduziu nesta guerra global fatores de imprevisibilidade nunca antes vistos. As condições para uma confrontação generalizada amadurecem a uma velocidade estonteante.

quarta-feira, maio 24

CENTENO E TUDO

No meio da tormenta, após tanta desconfiança e violência verbal, nos espaços da politica e na sociedade civil, Centeno (Ministro das Finanças) emerge como figura pública de reconhecido prestigio técnico e honorabilidade pessoal. Não era sem tempo e chegou a tempo pois os ciclos económicos são traiçoeiros. Desde sempre que nos meios académicos todos sabiam que Mário Centeno é um economista de elevado nível mas poucos poderiam adivinhar que pudesse afirmar-se na politica, arte na qual julgo nunca tivera uma experiência relevante. Pode dizer-se que são as circunstâncias que o ajudaram, retirando-lhe o mérito profissional e as qualidades pessoais. Mas todos sabemos que não há milagres na gestão da coisa pública ainda para mais neste conturbado e frenético tempo que é o nosso. Quanto durará a sua áurea não sabemos, mas sabemos que o país se apresenta, hoje, perante os portugueses, a europa e o mundo de cara lavada, não por ter subitamente enriquecido mas, a meu ver, por ter encontrado um equilíbrio politico e social que raramente, na nossa história recente, é possível vislumbrar. O que se espera? Que dure quanto baste, seja qual for o vento que sopre mostrando-se capaz de honrar o compromisso democrático e a defesa da liberdade.

domingo, maio 14

13 maio

Nestes últimos dias o espaço público do nosso país foi ocupado por acontecimentos com significado e impacto na opinião pública. Ao contrário do que tantas vezes tem acontecido nos últimos anos não se trata de desastres, crises, crimes....
Uma parte da intelectualidade de esquerda mantém um ruidoso silêncio ou emite opiniões de desagrado. Julgo que ressoa ainda no seu pensamento o mito dos três efes do Estado Novo: Futebol, Fátima e Fado. Mas os nossos tempos são outros e, neste 13 de maio de 2017, qualquer destes efes não se pode assemelhar ao "soporífero social" do outro tempo.
O Futebol internacionalizou-se, continua a ser uma modalidade desportiva fascinante e não é mais uma bandeira, no plano politico, de uma ditadura. Fátima neste centenário, para além da questão da fé, trouxe a Portugal o Papa Francisco e a sua palavra que está nas antípodas de qualquer totalitarismo. O Fado, neste dia, cedeu o lugar a um estilo musical contemporâneo que se distingue pela diferença, lançando um desafio à própria indústria musical. Os "Velhos do Restelo" não escolhem quadrantes políticos e ideológicos...

segunda-feira, maio 8

A minha mãe Tolentina


A minha mãe foi batizada de Tolentina, nascida na freguesia de S. Estêvão de Tavira, de família de camponeses remediados, vivendo dos proventos do cultivo de uma terra de sequeiro a que se juntou, mais tarde, uma horta que, no conjunto, produziam desde os frutos secos aos mimos típicos das produções algarvias. Sempre conheci aquele campo, como lhe chamávamos, convivi com os meus avós maternos, Rosa e José, o meu tio Ventura, os meus primos Gervásio e Ezequiel, todos, sem exceção, dedicados à agricultura. Gente com mãos rugosas e faces marcadas pelas agruras do mister. A minha mãe, pelo casamento, saiu do campo para a cidade cedo, mantendo o espirito de camponesa e fortes os laços que a ligavam à família. Era uma mulher desabrida, obstinada, solidária e crente em que era sempre possível ir mais além. Morreu num dia de aniversário do meu filho Manuel, em minha casa, depois de uma divertida festa na qual animadamente participou. Foi assim cumprido, estou certo, o seu desejo. E vive no meu coração.

segunda-feira, maio 1

1º de maio

Com que então libertos, hein?

Com que então libertos, hein? Falemos de política,

discutamos de política, escrevamos de política,

vivamos quotidianamente o regressar da política à posse de cada um,

essa coisa de cada um que era tratada como propriedade do paizinho.

Tenhamos sempre presente que, em política, os paizinhos

tendem sempre a durar quase cinquenta anos pelo menos.

E aprendamos que, em política, a arte maior é a de exigir a lua

não para tê-la ou ficar numa fúria por não tê-la,

mas como ponto de partida para ganhar-se, do compromisso,

uma boa lâmpada de sala, que ilumine a todos.

Com o país dividido quase meio século entre os donos da verdade e do poder,

para um lado, os réprobos para o outro só porque não aceitavam que

não houvesse liberdade, e o povo todo no meio abandonado à sua solidão

silenciosa, sem poder falar nem poder ouvir mais que discursos de salamaleque,

há que aprender, re-aprender a falar política e a ouvir política.

Não apenas pelo prazer tão grande de poder falar livremente

e poder ouvir em liberdade o que os outros nos dizem,

mas para o trabalho mais duro e mais difícil de - parece incrível -

refazer Portugal sem que se dissipe ou se perca uma parcela só

da energia represa há tanto tempo. Porque é belo e é magnífico

o entusiasmo e é sinal esplêndido de estar viva uma nação inteira.

Mas a vida não é só correria e gritos de entusiasmo, é também

o desafio terrível do ter-se de repente nas mãos

os destinos de uma pátria e de um povo, suspensos sobre o abismo

em que se afundam os povos e as nações que deixaram fugir

a hora miraculosa que uma revolução lhes marcou. Há que caminhar

com cuidado, como quem leva ao colo uma criança:

uma pátria que renasce é como uma criança dormindo,

para quem preparamos tudo, sonhamos tudo, fazemos tudo,

até que ela possa em segurança ensaiar os primeiros passos.

De todo o coração, gritemos o nosso júbilo, aclamemos gratos

os que o fizeram possível. Mas, com toda a inteligência

que se deve exigir do amadurecimento doloroso desta liberdade

tão longamente esperada e desejada, trabalhemos cautelosamente,

politicamente, para conduzir a porto de salvamento esta pátria

por entre a floresta de armas e de interesses medonhos

que, de todos os cantos do mundo, nos espreitam e a ela.


Jorge de Sena

SB, 2/5/74

POEMAS "POLÍTICOS E AFINS" (1972-1977)

In "40 ANOS DE SERVIDÃO"

sábado, abril 29

ANIVERSÁRIO

Ontem. Não é todos os dias que se comemoram 70 anos de vida. Continuar a trabalhar, obviar ao cansaço da gestão do que me compete gerir, restaurar todos os dias a capacidade de tolerância, não desmerecer da confiança que em mim depositam aqueles que me olham. Seguir em frente com prudência mas sem temor. Obrigada à família e aos amigos que me têm desde sempre apoiado. E sempre a lembrança de meus pais, presentes no meu coração.

sábado, abril 15

SINAIS DE GUERRA

O ambiente está povoado de sinais de guerra. Ataques militares mediatizados, além dos esquecidos combates no terreno, estreias mundiais na utilização de armas, discursos, e mensagens, ameaçadoras afirmadas, e feitas divulgar, por lideres políticos, as potências militares mostram as garras, os povos ainda não se deram conta das danças de guerra nas quais participam sem convite nem convocatória. Pode ser somente a vozearia do medo, ou a cortina que esconde a fraqueza oriunda das interdependências entre os grandes do mundo. Acreditemos que assim seja. Caso contrário a guerra não poupará nada, nem ninguém. Os sinais, por mais que imaginemos a emergência de forças contemporizadoras, assinalam os perigo típicos dos tempos que antecedem as guerras.