terça-feira, novembro 24

BOLO DE GILA E AMÊNDOA















Para a Bel


No outro dia num pequeno café/restaurante aqui para os lados de Campolide serviram-me um doce de sobremesa. Senti o sabor da gila e da amêndoa, uma textura que me reenviou para o “bolo de gila” da minha mãe. Uma especialidade. São os momentos em que nos reencontramos, de verdade, com a vida. Lembrei-me de uma história que ela contava. Já tarde, decidiu tirar a carta de condução. Fez o que tinha que fazer. Código, lições de condução, exames. Em todos passou. Aprovada. Carta na mão. Alegria. Era mais um passo na afirmação da sua autonomia. O examinador, segundo ela, era muito simpático. Vai daí minha mãe, como sempre fazia, sem falsos pudores, preparou, com esmero, um bolo de gila para lhe oferecer. Dirigiu-se a ele e o Eng.º não quis receber a prenda. A minha mãe tomou-se de uma indignação sem limites. Insistiu. Voltou a insistir. Não compreendia os problemas do homem que, finalmente, se deu por vencido e aceitou o bolo. Cedência a uma manifestação de regozijo? Ou aceitação do pagamento de um favor? O que a minha mãe queria era festejar!
.

2 comentários:

Isabel Ramos disse...

Meu querido Eduardo, um beijo bem grande e mil vezes obrigada. Está duro, mas como diria o "teu" Camus, a coragem não é a usência de desespero mas sim a capacidade de seguir em frente, apesar do desespero. Espero ter essa capacidade, se não terás que me dar umas palmadas e uams lições extra! Beijo, Bel

vai tudo abaixo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.