quarta-feira, abril 28

ANIVERSÁRIO
























Naquele tempo de primícias sobrevoei o mundo cão que devorava a carne do povo sem liberdade nem pão. As mulheres assomavam à janela de casas térreas sem água nem pia a ver o tempo passar. A cidade crescera para fora das muralhas antigas subindo até junto das hortas. As ruas novas eram rectilíneas e os largos mais largos já não para dar passagem às carroças puxadas a cavalos mas às novas máquinas puxadas a motores de explosão. A casa era pequena e a janela principal era alta demais para mim. Um dia cheguei sem ajuda ao cimo dela e avistei a rua. O meu desejo foi tomar o meu lugar nela, correr ao pó, alisar as paredes com as mãos e sentir o cheiro da cal branca. O calor do sol diluía os odores das flores pela primavera quando ainda chovia e o ar subia às narinas com o perfume da vida eterna. O tempo era de silêncios entrecortados por palavras que sublinhavam as penas do quotidiano, alegrias breves, máscaras e enigmas, vidas com amor, mortes prematuras, caminhar, caminhar … ao encontro do futuro que sempre existe mesmo no seio da noite escura com a morte na alma. Havia o arco-íris tracejando o céu ou a caixa de cartão, as meias enroladas ou os girinos na poça do espaldão, sorrisos largos e mãos quentes, passeios nos quintais e as árvores frondosas ensombrando os animais com os frutos escorrendo seiva e colhidos à mão. Sou essa atmosfera feita de terra e de gente. [17/1/2008]
.

8 comentários:

addiragram disse...

Muitos e muitos Parabéns caro Eduardo! O desejo concretizou-se.

Um abraço

Anónimo disse...

Um grande abraço de parabens da Vozita

António P. disse...

Um grande abraço de parabéns, Eduardo

Galeota disse...

Parabéns.

Anónimo disse...

Parabéns aos pais.Uma criança muito bonita e feliz.

Betty disse...

Parabéns.

Anónimo disse...

Muitos beijinhos de parabéns e que nos vamos falando por muitos anos.(desculpa um dia de atraso)
Conceição

JPN disse...

com uns dias de atraso, um grande abraço de parabéns.